Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A culpa é do diabo

Os governos não têm culpa e os partidos também não, só pode ser o diabo. Para o PSD o diabo está a chegar. Para o PS há que fugir dele.

Vendo bem ainda é a melhor forma de nos darmos todos bem. A culpa fica solteira como sempre esteve e o diabo é mesmo diabo merece levar com as culpas todas. Mas aceitar que a culpa é do diabo quer dizer que já estamos no inferno ou perto dele. É da sua natureza.

E também é da sua natureza tomar várias formas e cabeças. Gente sem culpa nenhuma que leva o país à bancarrota só pode ser o diabo que encarnou. Outros que fizeram um ajustamento infernal mas que deixaram o país à beira do inferno só pode ser o diabo em forma de pessoa(s). E outros há que brincam a saltar à fogueira, só pode ser o diabo que tomou conta deles. As pessoas não têm culpa de estarem possuídas.

O exorcista-mor faz tudo para que o diabo não apareça em forma de diabo, não vá os cidadãos descobrirem que o diabo tem forma de gente e daí, começarem a atribuir culpas. Que é uma coisa do diabo.

Gozem bem as férias que lá para Setembro temos aí o diabo. Sem culpas.

A ferro e fogo

Por acordo entre os dois maiores partidos o Presidente da Assembleia da República era indicado pelo partido mais votado. Foi assim até Outubro passado. Nessa altura o PS com a ajuda do PCP e do BE impôs Ferro Rodrigues.

Ora sabe-se bem que quem com ferro mata com ferro morre e desta vez quem pagou foi Correia de Campos, ex-ministro da saúde, demitido por Sócrates face às mudanças (boas) que estava a introduzir no SNS mas que não agradavam aos sindicatos e ao PCP.

Apesar do acordo PS e PSD - são necessários 2/3 dos deputados - vários deputados ( de ambos os partidos ou só de um deles?) roeram a corda e não votaram Correia de Campos para Presidente do CES . O que parecia pacifico mostrou-se afinal ser uma guerra surda . BE e PCP não votaram e o PS ficou nas mãos do PSD senão mesmo nas mãos da facção bloquista do partido socialista que não gosta de socialistas moderados como é o indigitado.

Agora vamos ver no que dá a nova ronda depois do PSD ter mostrado que o governo não deve contar com a posição de conforto com que tanto sonha. Hoje apoia-se no BE e no PCP amanhã no PSD e no CDS. Não está fácil.