Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Cuidado não mexam na Caixa pode cheirar mal

Foram os milhões da Caixa, foi a PT , foi o BES e agora está a ir a Oi . Grandes negócios do estado, grandes estadistas . Uma razia a leste e a oeste. Não mexam na merda pode cheirar mal. E o dinheiro da Caixa, no BPN e no BCP ?

A share que Sócrates usou era mesmo golden. Um negócio fino. Há que pagar não temos cabeça para estas coisas que estão para lá de qualquer mortal. Mais uma blasfémia...

tv-bigbrasil.png

 

 

"Remain" quer dizer "permanecer"

evolução das intenções de voto mostra bem como com o aproximar da hora da decisão prevalece o certo contra o incerto . Há sempre por onde dizer mal o dificil mesmo é encontrar alternativas que valham a pena.

Ao contrário do que dizem, os que querem sair não o fazem pela democracia mas sim contra a democracia.  A UE é um conjunto de democracias onde imperam o estado de direito a economia social de mercado e o estado social. 

Compreende-se porque o fim da UE convém a nacionalistas e a radicais. Acabaria com a garantia internacional que limita as experiências políticas dentro de cada Estado. Mas acima de tudo, poderia precipitar a divisão das sociedades, como já se vê no Reino Unido, e reduzir a política a confrontos sem terreno comum. Estariam assim criadas condições para os impasses que haveriam de justificar autoritarismos como os que já se desenvolvem à volta da Europa, na Rússia e na Turquia, e que seriam o único meio de radicais ou nacionalistas imporem colectivizações e proteccionismos.

 

 

A Catarina Martins não acerta uma

Todos estão de acordo. A austeridade não acabou mas para o BE  não há razão nenhuma para o Plano B e as exportações são uma treta.

Enquanto isso, passados seis meses de governo, o Plano B está na calha, António Costa reúne com as empresas exportadoras e o consumo interno ( os rendimentos que estão a chegar às pessoas) não faz arrancar a economia. Pior não é possível.

actividade económica já vai em terreno negativo e a tão amada criação de emprego nem vê-la. BE e PCP mudam de agulha e o problema é o Tratado Orçamental e a crise externa. Há sempre um culpado e eles têm sempre razão.

Paralelamente à situação portuguesa que mostra não ser solução, na Grécia a austeridade é uma enormidade e em Espanha não se descortina solução. A verdade é que com a chegada dos partidos extremistas à governação o que mudou foi para pior.

 

Governo já sabe que não é pelo consumo interno

António Costa reuniu com as maiores exportadoras para ouvir. A economia não arranca e as exportações caiem a pique. Nada que não se soubesse, mas Costa foi na conversa até porque era a única forma de formar governo. Lembremo-nos da inteligente declaração de Catarina Martins " as exportações são uma treta ".

Os governos "vêm sempre com teorias algo esdrúxulas, nomeadamente o actual, que estava convencido que com o estímulo ao consumo interno iria resolver o problema da economia portuguesa. Remédio já testado sem resultados. Em Julho teremos os indicadores económicos do 2º trimestre que tudo indica serão bastante maus na linha do 1º trimestre mas ainda piores. E não há dúvidas que a verdadeira oposição ao governo são os indicadores do Instituto Nacional de Estatística. E a receita dos impostos insuficiente porque o PIB vai crescer 1,2% e não 1,8% como consta no orçamento. E o investimento cai e sem investimento não há emprego.

António Costa com as calças na mão já tem exigências dos empresários que são pouco amigas do PCP e do BE. Baixar o IRC, ajudas ao investimento e soluções para o crédito mal parado em Angola.

O caminho é cada vez mais estreito ao fim de apenas seis meses.