Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O milagre da Fenprof em transformar 15 000 pessoas em 80 000

Está-lhes no sangue mentir. Também diziam no tempo da Maria Lurdes Rodrigues que as manifestações juntavam 150 000 pessoas algo que as imagens de helicóptero desmentiam. Nem metade do Terreiro do Paço estava cheio. Mentirosos .

O desfile foi convocado no mesmo dia, 29 de Maio, em que os colégios privados conseguiram reunir cerca de 40 mil pessoas em Lisboa, em protesto contra a decisão do ME, que foi agora concretizada por via de um novo concurso público.

Neste domingo, os colégios voltarão à rua, desta vez no Porto. Cuidado, olhem que o Nogueira é capaz de outro milagre mas desta vez de desmultiplicação...

Estado laico não paga dízimas mas pagas quotas

Uma manifestação pela defesa de uma escola pública que ninguém está a atacar. Uma escola estatal manietada pelas greves dos sindicatos dos professores. Uma escola pública telecomandada desde o ministério da educação que é controlado pela FENPROF que avalia o ministro todos os três meses. E cuja secretária de estado tem os filhos no selecto Colégio Alemão.

Uma manifestação contra o direito de escolha das famílias e contra as boas escolas em associação mas a favor das más escolas públicas que os alunos rejeitam. As oportunidades dos alunos pobres frequentarem as boas escolas são cada menos.

As boas escolas privadas estão cheias de alunos ricos; as boas escolas públicas estão cheias de alunos remediados; as más escolas públicas estão cheias de alunos pobres.

As mães que sobrevivem aos filhos nas tentativas de suícidio

Para lá da tragédia sem fim que leva uma mãe ao suicídio acompanhada do filho, há duas perguntas perturbantes. Acompanhada do filho porquê ? E sobrevivendo, porque a mãe não tenta novamente o suicídio ?

O filho acompanhou-a porque serviu de arma de arremesso contra o pai ? É que apesar das razões que a levaram ao suicídio persistirem, junta-se a enorme culpa que passa a acompanhá-la no resto da vida mas, a experiência mostra,  que não se suicida nem tenta. 

Esta perturbadora constatação ( ouvi-a da boca de um ex-inspector da PJ) mostra que a criança é a vitima dos ódios de uma relação mal desenvolvida e mal resolvida . E mostra, também, que há consciência que a criança é tão importante para os desavindos que a sua morte é o maior dos castigos. Ou a maior das vinganças.

Esta visão do problema é particularmente chocante, é como se tudo se resuma a " não vais ficar com ele" ou "não vais ser feliz" tenhas ou não uma nova parceira. O instinto de vingança é perturbador e mostra bem que aqueles pais há muito que perderam a capacidade de criarem e amarem os filhos.

Ao contrário, se a natureza e o carácter forem positivos, a existência dos filhos é a âncora para uma vida refeita, para uma nova oportunidade.

PS : embora menos há também pais que agem da mesma forma

 

Há quem não queira a verdade na Caixa

A Caixa é uma catedral os outros são um bordel há, pois, que respeitar as diferenças. A Caixa é pública, é nossa, a Caixa é de todos não pode ser tratada com um qualquer BPN ou Banif . Nos privados roubavam na Caixa aproveitavam. Tudo muito diferente.

Uma festança com o dinheiro de todos. Um banco público não pode ser tratado como um qualquer banco privado diz um dirigente do PCP. E foi assim que a Caixa chegou à situação actual. As boas consciências aparecem sempre nestas alturas, a verdade choca com muitos interesses instalados. Basta conhecer os primeiros devedores da lista tornada pública para perceber que estão lá todas as empresas do regime, amigos nacionais e angolanos. Não está lá nenhuma pequena ou média empresa.

Os grandes escândalos financeiros ocorridos no país foram todos feitos de braço dado com o estado, com o dinheiro dos contribuintes,  com a cegueira dos reguladores e com a cumplicidade de muitos que estavam obrigados a denunciar. São estes que agora querem esconder a verdade. Doa a quem doer.

Colégios privados vão aceitar alunos sem cobrar

São cerca de 30 000 alunos que vão frequentar as suas escolas pagando apenas o que estiver ao alcance das suas famílias. Entretanto as acções correm nos tribunais. É uma chapada de luva branca.

Com a ajuda conjunta das famílias, dos proprietários dos colégios e das comunidades locais é possível manter bons colégios a prestar bons serviços públicos. E são os alunos os mais favorecidos. Uma boa gestão dos meios trará poupanças significativas. E terminam com actividades extra curriculares menos importantes.

E as más escolas públicas que famílias e alunos rejeitam vão continuar com salas vazias. O povo é difícil de vergar quando se trata de assuntos que têm a ver com os interesses das famílias e da sua terra natal.  Não faltarão imaginação, determinação e capacidade de sacrifício. Bem vistas as coisas a vida sempre lhes exigiu isso mesmo.