Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A táctica do dinheiro no Euro 2016

Já deu para ver. Há um conjunto de equipas a disputar o campeonato Europeu de Futebol que não têm categoria suficiente. Pergunta-se, a que título o número de equipas nesta fase final saltou de 18 para 24 ? Não foi de certo para elevar o nível competitivo.

Mais jogos, mais espectadores, mais transmissões televisivas, mais dinheiro. Quando rebentou o escândalo na FIFA soubemos que a organização era uma das mais ricas multinacionais. Sobrava em dinheiro o que faltava em decência. Mas nem isso travou a ganância.

Três jogos de futebol por dia nenhum que se diga mesa de Deus. Dá para dormir e se seguirmos a Copa América não há tempo para fazer mais nada. E já tudo parece medíocre, talvez lá mais para a frente quando estas equipas forem eliminadas o bom futebol regresse. 

A França ganhou com um grande golo.

euro-2016.jpg

 

 

 

Um altar ao deus elefante

Uma mesquita, uma madrassa e um altar ao deus elefante. Medina trata disso com o dinheiro dos munícipes, com as taxas e taxinhas não custa nada. Ali naquela zona há mais chineses que muçulmanos. E hindus .

Basta expropriar a vida de uns quantos lisboetas e está feito. Á conta do interesse público que dá sempre para tudo especialmente para lixar a vida dos que cá nasceram. Com presidentes socialistas na câmara dinheiro é coisa que não falta.

Depois, claro, de ter protegido as crianças portuguesas – mesmo as das famílias ignaras que até queriam e gostavam – da exposição a essa praga maior da vida portuguesa que é o cristianismo.

Está já em estudo pelos assessores diletos de Medina a construção de um templo a Confúcio? Outro a Mêncio? Foi encomendada alguma estátua da bodhisattva Guanyin?

Os problemas de estacionamento continuam por resolver (assim vão ficar, que a prioridade do PS são ciclovias, que ninguém usa, espalhadas pela cidade) e, sobretudo, os prédios propriedade da CML estão sem obras, velhos, estragados.

Mas aqueles votos muçulmanos nas próximas autárquicas dão um jeitão.