Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O PS desvaloriza, o PCP chumba e o BE assobia para o lado

O CDS quer que o programa a enviar para Bruxelas vá a votação obrigando os restantes partidos a tomarem posição. O PCP já disse que chumba o que obriga o PSD a deixar passar. É claro que nesta situação a posição do BE não conta.

O Bloco de Esquerda desvaloriza a votação do Programa de Estabilidade, defendendo que o Executivo socialista não necessita de nenhum voto de confiança.

Por sua vez, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, anunciou hoje que "o PCP não apoia esse Programa de Estabilidade", porque tanto este como o Programa Nacional de Reformas (PNR) mostram uma "contradição" face ao que é fundamental fazer em matéria de crescimento económico.

Apesar do PCP ser um dos três partidos que apoiam no Parlamento o actual Governo do PS, Carlos César não se mostra surpreendido por esta posição dos comunistas, até porque as posições conjuntas assinadas "previam convergências e divergências". 

E como se previa a execução orçamental no primeiro trimestre foi má aumentando o défice . Mas aqui para nós, isto interessa a alguém ?

O lucro esse papão

Num texto particularmente visionado e comentado o lucro foi o argumento mais vezes usado para rebater a existência de escolas privadas convencionadas. O crime é terem lucro, como se fosse possível alguma organização seja ela pública ou privada sobreviver sem lucro. O argumento até abre a porta à pergunta : então se tiverem prejuízo já podem ser convencionadas pelo Estado ?

Para os comentadores que usam esse argumento, o lucro é traduzido numa garagem cheia de porches amarelos, iates no mediterrâneo e palácios em Sintra e em Cascais. Ora a verdade é que essas riquezas raramente são resultado do lucro. São mais resultado de esquemas ilícitos.

É o lucro que permite às organizações, desde os estados às grandes empresas, passando pelas PMEs e pelas famílias, renovar e substituir equipamentos, crescer em inovação e actualização dos produtos, melhorar a vida dos trabalhadores em termos salariais e ambientais no trabalho. O lucro é a origem dos postos de trabalho de amanhã, sem lucro não há investimento nem criação de postos de trabalho.

Sem lucro ( com prejuízo) qualquer organização tem que pedir emprestado, aumentar as dívidas, empobrecer, pagar pior aos trabalhadores. Acabam por fechar .

O lucro é necessário para que a economia se torne mais forte e para que a vida de todos seja melhor. Quando uma empresa ou um país tem lucro, todos ganham, embora alguns ganhem mais do que outros . Mas essa já é outra questão. É aí que o estado deve intervir distribuindo melhor, de forma mais justa. E já o faz com a taxação de impostos.

Da mesma forma o estado deve facilitar e reunir condições para que a economia tenha lucro . Exactamente o contrário do argumento apresentado.

Mulheres ficaram portuguesas de segunda até 1976

A democracia foi uma verdadeira revolução para o estatuto das mulheres na sociedade. Assunto que raramente é tema de discussão e ignorado pelos mais novos.

Até 1975 o Código Penal português consagrava os "crimes de honra", permitindo que um marido ou pai matasse a mulher adúltera ou as filhas menores de 21 se "corrompidas" sem mais castigo do que seis meses de desterro da comarca (na mesma pena incorria a mulher que matasse o marido e/ou a amante mas apenas se este introduzisse aquela na "casa de família"). "É chocante. E é muito estranho mesmo que nunca nos falem disso. É um bocado repugnante até há tão pouco tempo uma coisa dessas existir na lei. Gostava de ter sabido disso antes, era importante para mim. Se não se fala disso por desvalorização é muito grave."

Quando agora meia dúzia de meninas nos querem fazer crer que são muito modernas e fracturantes a história, sempre a história, ensina-nos que a evolução da humanidade só se faz em democracia. E faz-se sempre . Com ou sem BE.

A conversa da treta do BE

Tudo o que o BE apresenta como proposta dita fracturante há muito que se pratica nos países que tanto critica. O que é bom nas propostas do BE não é original e o que é original não presta. É o caso do Cartão de Cidadão. Esta questão já foi suficientemente debatida e mesmo ridicularizada para perder tempo com ela.

Os US, país que as bloquistas consideram o diabo em pessoa, não só elegeram um negro como seu presidente como se preparam para eleger uma mulher para o mais alto cargo da nação. E vale a pena saber que os Estados Unidos vão lançar uma nota de dólar com a fotografia de uma mulher negra que foi escrava.

As meninas do Bloco têm alguma ideia positiva para enriquecer a vida politica da nação ? Ou ficam-se pelas fracturantes que cheiram a ranço quando comparadas com os verdadeiros avanços sociais e políticos?