Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Agora são os sindicatos a atarraxar

O PCP e o BE querem a restruturação da dívida e a nacionalização do Novo Banco que sabem não ser possível e que só tem como objectivo atarraxar o governo junto de Bruxelas. Os sindicatos da Administração Pública fazem a parte deles que consiste em atarraxar o governo internamente, exigindo " ... que se desenvolva a discussão do impacto da reposição do horário das 35 horas, o fim do regime de requalificação, o desenvolvimento da formação profissional, a precariedade laboral na Função Pública e a revisão do sistema de avaliação.

As carreiras, a tabela remuneratória única, as admissões na Administração Pública, a ADSE e a Caixa Geral de Aposentações são as outras matérias que deverão ser negociadas no âmbito do acordo hoje estabelecido.

Tudo medidas com impacto financeiro e orçamental. O próximo aumento de impostos vai ser no IVA?

Os apoios a encurralar o governo

O PCP quer o Novo Banco nacionalizado e o BE quer renegociar a dívida. Dois tiros no porta aviões. O PS vai dizendo que está aberto a discutir os assuntos. A dívida discute-a quando e se a Comissão Europeia o fizer . Por enquanto só há negociação da restruturação da dívida para a Grécia no quadro do 3º resgate em curso. Quanto à nacionalização do Novo Banco, Bruxelas parece entender que a banca portuguesa deverá ficar sob controlo da banca espanhola.

O BCE, com uma aparente passividade das autoridades portuguesas, defende actualmente que a actividade bancária em Portugal deve apenas ser repartida por quatro bancos: Banco Santander, BBVA, Caixa da Catalunha e Caixa Geral de Depósitos. Significaria isso que aproximadamente 80% do financiamento empresarial em Portugal ficaria não só em mãos estrangeiras, como ficaria dependente de apenas um único país estrangeiro.

A nacionalização do Novo Banco impediria a sua compra pelo Santander. No Banif houve mais interessados que foram afastados por interferência directa de Bruxelas. E qual será a posição de Bruxelas quanto à possível nacionalização ?                                                                                   

Não custa perceber que vamos ter aqui duas duras batalhas de onde ninguém sairá airosamente. De mal com Bruxelas por amor do PCP e do BE ? Não me parece. António Costa não irá contra a Europa.