Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Não às barragens e não à exploração de petróleo

As barragens estragam a paisagem e a qualidade da água. O petróleo estraga a paisagem e afugenta o turismo. Ficamos dependentes das importações de energia, do carvão e dos hidrocarbonetos. E do vento e do sol.

Eu também não me importava ( salvo a dependência das importações) mas será boa ideia deixar a água continuar a correr para o mar ? E a energia produzida a partir do vento e do sol é suficiente ?

Importamos entre 6 000 milhões e 8 000 milhões por ano em petróleo e gaz. Se a quantidade existente em Portugal for suficiente para ser explorada comercialmente seria o ponto de viragem da economia nacional. Mas há quem esteja contra.

Antes das plataformas de extração já cá temos as  plataformas de protesto. Não ao gaz. Não ao petróleo. Não às barragens.

 

say-no-to-oil-algarve-licences-map-portugal.jpg

gaz.jpg

 

 

 

António Costa o grande educador da classe média

António Costa o "grande educador da classe média". Não fumem, andem de transportes públicos e não consumam. Ora se ao mesmo tempo diz que é pelo aumento do consumo que o país lá vai...

Não sejam piegas. Diz António Costa que "se fumarem muito, se meterem muita gasolina e se contraírem crédito, parte do que ganham no IRS consumirão nos impostos". Ora bem, aquilo que se exige a um primeiro-ministro é que governe, de preferência bem, e não que dê bitaites sobre aquilo que cada um de nós deve ou não fazer na sua vida privada. Bem sabemos que a tentação moralista dos governos é grande. 

Se deixarmos um dia o Estado toma conta da nossa vida

A chantagem da Mariana

Todas as opiniões diferentes são chantagem . Ó Mariana, isto não é da Joana, não vale tudo. Em Democracia respeitam-se as opiniões dos outros.

O Bloco de Esquerda ainda não decidiu se votará favoravelmente o Orçamento do Estado para 2016 entregue esta sexta-feira, 5 de Fevereiro, no Parlamento. Depois das explicações dadas pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, a deputada bloquista, Mariana Mortágua, explicou que "o Bloco de Esquerda tem de analisar este Orçamento com toda a calma" e avisou que "não nos vamos apressar neste processo de decisão".

Ainda assim, a deputada do Bloco salienta que este Orçamento "cumpre o nosso objectivo de travar o empobrecimento e repor rendimentos", sublinhando ainda que o BE "foi central na discussão deste processo orçamental".