Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Há novos ventos a soprar em Bruxelas

Nós não somos pela austeridade mas por regras sérias e também pelo dinamismo da economia. Os cidadãos estão fartos da evasão fiscal praticada pelas empresas. Queremos redireccionar claramente a construção europeia. Vários  países já  estão a beneficiar de vários tipos de flexibilidade.

Costa estará assim a seguir o exemplo deste novo pragmatismo europeu.  Uma militância pró-austeridade é que estaria agora fora de moda. Pierre Moscovici, socialista e ex-ministro das finanças francês, militante trotkista na sua juventude é que está à frente deste pelouro. Não há razão nenhuma para acreditar, como dizem os nossos comunistas e neocomunistas, que estamos perante chantagem externa.

Há novos ventos a soprar em Bruxelas. Agora o que interessa é a economia e o emprego, é para aí que está orientada a Comissão Juncker. A política monetária não pode fazer tudo é preciso que as políticas nacionais também estejam alinhadas.

O processo de desenvolvimento da UE e do Euro está a passar pelas várias fases de uma construção que envolve 28 países e 500 milhões de pessoas. Nada de semelhante foi feito antes. É a mais extraordinária obra politica-social-económica alguma vez erguida pelo homem. E os grandes problemas com que agora se debate vão ter a resposta mais responsável, fruto do querer e da negociação. Como a dívida que de impagável passará a pagável depois de reestruturada segundo os ditames da seriedade e dos interesses em presença.

Quem quer sair do Euro tem alguma coisa mesmo que pequenina para nos oferecer?

Agora a TAP já pode ser vendida em bolsa

Os accionistas privados ficam com 50% do capital e asseguram a gestão da companhia. O governo fica com 50% e com uns boys e metade do lucro que espera que a gestão privada consiga. Logo que estejam esquecidos os sentimentos patrióticos dos " não TAPem os olhos" o governo, então já com uma companhia viável e lucrativa, dispersa o seu capital em bolsa. Não está mal visto não senhor.

Mas estas negociações em que António Costa é mestre deixam sempre para o futuro o essencial das questões. E quando já houver dinheiro os boys não vão querer mandar ? Mas para já ganha tempo e menos uma dor de cabeça.

E os sindicatos vão olhar para a TAP como uma empresa privada ou como pública, lançando pedras no caminho, com greves e exigências que impeçam o lucro, esse maldito ?

Entre o clamor dos patriotas e uma companhia viável o governo disse o habitual "nim". Há quem diga que é de estadista. Foi  António Costa quem lhes TAPou os olhos.