Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A demagogia de Catarina Martins

Ceder a Bruxelas foi o que a direita fez, diz Catarina Martins a António Costa. Eu lembrei-me logo do Syriza da Grécia que sendo de esquerda ( dizem os entendidos embora haja quem duvide) foi para Bruxelas determinado a mudar tudo e veio de lá com um 3º resgate e com o programa de austeridade mais exigente.

Assim, avisou a líder bloquista, “nada aconselha a que o governo tente fazer o que a direita fez”. O que António Costa tem de fazer, defendeu Catarina Martins, é mostrar “determinação” e “mostrar porque é diferente de (…) Pedro Passos Coelho”. Até porque para que o Orçamento de Estado seja aprovado pelos bloquistas é preciso que o compromisso assumido entre os dois partidos seja “cumprido (…) por todas as partes”, lembrou.

Esta Catarina é tão fraquinha e tão demagógica que tenho a certeza que um dia destes vai perceber que é fácil enganar muitas pessoas durante algum tempo, e que dentro de poucas semanas vai perceber que não é possível enganar Bruxelas durante o tempo todo. 

Um orçamento a preparar eleições antecipadas

O orçamento apresentado pelo governo é tão mauzinho que só pode ter um objectivo. Adoçar os portugueses com umas medidas simpáticas e quando as sondagens derem um resultado favorável avançar para eleições antecipadas de braço dado com o Bloco de Esquerda.

O PCP suspira por esse momento já entendeu que não escapa ao abraço de urso, o seu score eleitoral recente fez tocar as campainhas de aviso.

Costa nunca quis, nem quer, uma coligação para quatro anos. Quis apenas conquistar o poder para vencer eleições a partir do governo com promessas que não podem ser cumpridas no futuro. O Orçamento para este governo não passa de um instrumento eleitoral. Costa não está a cumprir as promessas da última eleição. Está a fazer promessas para a próxima, mas não as poderá cumprir. E serão os portugueses, mais uma vez, a pagar.

O PS já negoceia com os partidos que o apoiam em paralelo com as negociações com Bruxelas. O orçamento vai ficar a meio da ponte. Dar com uma mão e tirar com a outra. Há sempre maneira de enganar os portugueses

Que impostos serão aumentados ?

A senhora ( loira?) guiava na auto-estrada e recebeu uma chamada do marido. Ó querida, tem cuidado, estão a dizer na rádio que há um carro em contramão. Um ? Centenas, responde a senhora ( loira) .

É o que se está a passar com o orçamento do governo. Estão todos errados menos o governo. Mas uma coisa é certa, temos que começar a fazer contas porque para pagar as reversões vai ser preciso aumentar impostos. Há um buraco de 1 800 milhões que tem que ser coberto para cumprir as metas de Bruxelas e as exigências dos partidos anti-UE.

expresso.jpg