Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A UTAO também não acredita no orçamento

E vai mais um que não acredita no orçamento proposto pelo governo. Fazer orçamentos é sempre uma tarefa complicada mas com parceiros anti- UE torna-se muito mais complicado.

Para já temos todas as instituições de um lado e o governo do outro. Orgulhosamente sós como tanto gostamos.

Embora menos dura nas palavras do que algumas das apreciações feitas pelo Conselho de Finanças Públicas e pelas três agências de rating que já se pronunciaram sobre o documento, a UTAO mostra reservas em relação à previsão de crescimento, ao efeito do aumento da procura interna conjugado com o seu impacto sobre as importações, ao otimismo relativo ao desempenho das exportações e ainda à previsão de receita fiscal. Também os pressupostos do governo em relação ao investimento e criação de emprego estão na mira dos técnicos de apoio ao Parlamento.

Vamos direitos a um 2º resgate já só falta arranjar os culpados coisa que o PS faz com grande desenvoltura.

A Suécia vai expulsar 80 000 falsos refugiados

A Suécia não pode receber e integrar todos os anos cerca de 150 mil imigrantes. E como não pode faz o que é justo. Recebe os verdadeiros refugiados e os imigrantes a quem pode dar trabalho e devolve à origem os outros.

Por cá reduz-se a questão à generosidade não cuidando de saber o que acontecerá a toda essa gente que procura o "inferno" que tanto odeiam. Temos trabalho para todos ? O país suporta sustentar toda essa gente? Entre eles há terroristas em preparação que não estão dispostos a aceitar a nossa forma de vida?

A decisão da Suécia é anunciada um dia depois de na Dinamarca o parlamento ter aprovado uma reforma da lei do asilo que prevê, entre outras medidas, o confisco de valores a migrantes.

opinião pública portuguesa foi submetida a uma versão da crise migratória que torna difícil assimilar alguns dos problemas criados. A proporção de refugiados é metade do total de pessoas que entraram nas fronteiras europeias e a expatriação dos migrantes que não têm direito a asilo terá custos adicionais. A crise migratória coloca questões de segurança e ameaça alterar a própria identidade europeia, tendo criado graves divisões, com um grupo de países de leste a recusar a ideia de uma política comum de imigração e asilo. Neste momento, está em perigo o próprio espaço de livre circulação de Schengen, que permite uma das liberdades essenciais na União Europeia, mas a animosidade entre governos pode já ter ultrapassado o ponto de não retorno. O número elevado de migrantes e refugiados provocou reacções de descontentamento em países como Alemanha, Dinamarca ou Suécia, o que beneficia partidos populistas que exigem limites.

 

E vão três

Três agências de rating avisam. A consolidação orçamental vai precisar de medidas adicionais.

Entre outras coisas, notamos, contudo, que a projeção de crescimento assumida para o PIB parece pender para o lado otimista. O que implica que se o crescimento económico tiver um desempenho abaixo do previsto pelo governo, serão necessárias medidas de redução do défice adicionais, para cumprir o objetivo. Aí, acreditamos que a estabilidade do governo seria colocada em causa”

A S&P tornou-se quarta-feira a terceira agência de rating em dois dias a mostrar dúvidas em relação aos planos orçamentais do governo, depois de a Moody’s e a Fitch terem feito o mesmo.

Só o governo acredita num crescimento de 2,1% contra os 1,7% de todas as instituições financeiras. Para nossa desgraça é fácil perceber quem tem razão.