Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Sindicatos assemelham este "regoverno" com o governo anterior

Quem o diz é a sindicalista Ana Avoila ao comentar a proposta - sensata, diga-se - de repor as 35 horas com prudência e sector a sector.

"Não aceitamos as palavras de António Costa sobre a aplicação das 35 horas por contratação colectiva", refere ao Negócios Ana Avoila. "É mais do mesmo, tal como estava no Governo do PSD. Há dificuldade em negociar por contratação colectiva porque o Governo negoceia em causa própria e tem o poder de impor porque é Governo. Não faz nenhum sentido virem com essas condições e com outras, como a redução de custos", acrescenta a coordenadora da Frente Comum, a estrutura afecta à CGTP que representa os sindicatos que convocaram uma greve para o próximo dia 29.

É claro que este "regoverno" se vai parecer cada vez mais com o governo anterior. Quem não muda nunca é a CGTP

Dar ( pouco ) com uma mão e tirar ( muito) com a outra

Só o diferimento do pagamento antecipado da dívida ao FMI vai custar a cada contribuinte 75 Euros. Ou seja, pagaremos muito caro para gastar já o que podíamos amortizar já. E para quê este diferimento da amortização de uma dívida que é muito mais cara ? Para gastar em consumo e em importações ?

É que a dívida do FMI cobra uma taxa de juro de 4,9% ao ano e actualmente o custo da nossa dívida é de cerca de 2,3% ao ano. É uma boa ideia trocar uma dívida mais cara por uma bem mais barata mas o governo acha que não. O custo anda à volta dos 300 milhões. Ainda por cima há dinheiro em caixa. É uma decisão tão estúpida como a que foi tomada na Educação. Ceder ao PCP e BE e aos sindicalistas. António Costa acha que isto pode durar muito ?

Qualquer devedor de bom senso - e que queira pagar - pagava já. Mas há quem pense que a dívida é para ser gerida. Lembram-se ?

A conversa é perigosamente semelhante à do tempo Sócrates -  não tem nada de "tempo novo" . O regoverno, está afanosamente a preencher a factura. Que como sempre nós todos pagamos.