Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A DOENÇA - Prof Raul Iturra

 

 

 

 

 

 

http://www.youtube.com/watch?v=WLaY2VcIEqo

Giacomo Puccini Madame Buterfly Un bel dia viendó Callas

 

 

Há quem pense que estar doente é o sal da vida: não é preciso trabalhar, por baixa não prolongada, as entradas salariais não diminuem, as queixas de não se estar bem elevam a piedade dos outros, até ao dia em que, por ser prolongada, a piedade acaba dando lugar ao cansaço e é-se enterrado em vida. Fica-se só e sem albergue, sem pessoa que acuda, separado dos outros porque a perturbação mental ou corporal, não lhes é agradável, apesar de se querer ter amigos que acompanhem e aprendam a andar a passo lento, esse que a doença permite. A vida segue o seu curso, as pessoas passeiam e fica-se em casa à espera, à espera da mão que nos resgate da solidão das solidões: de se ser um ser à parte e ser uma perturbação para os outros.

Enfermidades há muitas, todas passíveis de cura. Excepto a que leva à morte. Doenças de que se foge mais rápido pelo silêncio que acorda em nós o ser humanos que, em certo dia, acabará por não estar connosco. É mais simples habituar-se à distância antes de esta ser eterna. Eis o motivo que leva todo o ser humano a entrar calado e a sair mudo da presença do doente: não se sabe o que dizer, foge-se dos sentimentos e da companhia do próximo cadáver. Está-se tão habituado à sua presença, que é melhor se habituar-se a essa eterna distância antes que a materialidade da vida faça realidade o que se teme.

Não falo de forma simples. Falo, por precisar. Ainda hoje, tive um diagnóstico que me espantara. Pensava eu, estar curado das minhas doenças, e acaba por não ser assim. É a desilusão das ilusões. Volta tudo à fase inicial: começar a preparação do corpo para o dia anunciado, dias intermináveis que desejamos passem depressa, devido à nossa imobilidade em relação aos passeios e divertimento com os outros. Inventamos ritos e dizemos que estamos sempre bem, apenas muito ocupados com os nossos trabalhos.

O amor acaba. Era divertido guiar, namorar, seduzir e sermos acarinhados.

Integorro-me, melhoria para quê? Quem já foi enterrado em vida, falta-lhe apenas ser sepultado para a eternidade.

Sim senhor, sim senhor! Estou farto dos interesses de desconhecidos, e do abandono ao mais mínimo pretexto a que somos condenados, e tempos de cólera raiva e não dessa raiva de bactérias que nos mata minuto a minuto.

Sim senhor, viver para a solidão, apenas os nobres da Cartuja de Parma essa narrativa de Standhal.  Stendhal foi editado pela Globo Editora , na categoria Literatura Estrangeira / Romance

"A Cartuxa de Parma" é considerado um dos maiores romances do escritor francês Stendhal. Narra as aventuras amorosas vividas pelo protagonista na Itália da era napoleónica. O livro é uma apologia da liberdade de espírito e da leveza, do ímpeto e da energia individuais, que Stendhal identifica na ensolarada Itália. O romance é considerado por muitos críticos literários como um romance análogo ao O Príncipe de Maquiavel (Século XVI), mas retratando a Itália do século XIX. A criação de A Cartuxa de Parma foi, em muito, inspirada em leituras de documentos sobre famílias antigas da Itália, como a família Farnese, que Stendhal teve acesso em suas inúmeras passagens pela Itália, como cônsul. O Romance tem como protagonista Fabrício Del Dongo, um jovem aventureiro, de família nobre e de poucas ambições. Assim como Julien Sorel, protagonista de O Vermelho e o Negro, Fabrício é admirador de Napoleão e essa admiração constitui um dos aspectos sócio - históricos apresentados na obra, pois mostra uma Itália que sofre as consequências sociais da restauração da monarquia em territórios que pertenceram anteriormente ao Império Napoleônico, como os territórios do Piemonte. È a corrida de amores de Fabrizio, o que faz dele um homem solitário, porém doente.

Penso que é tudo. A doença, é a morte em vida.

Excepto acrescentar que Henri-Marie Beyle, mais conhecido como Stendhal (Grenoble, 23 de Janeiro de 1783 - Paris, 23 de Março de 1842) foi um escritorfrancês reputado pela fineza na análise dos sentimentos das suas personagens e pelo seu estilo deliberadamente seco.

Doente, porém….

 

Raul Iturra

29 de Julho, tarde

lautaro@netcabo.pt

 

 

 

 

 

 

 

 

Estes não perdoam

Há muita gente poderosa que perdeu milhões com o caso BES. E isso vai ter consequências. Quando foi o caso do "broker" Caldeira, na Bolsa de Lisboa, poucos foram os que apresentaram queixa na Justiça. Não tinham como justificar o dinheiro aplicado. E no caso "D. Branca" foram ainda menos os que apresentaram queixa nos tribunais. As contas, nestes casos, ajustam-se pela calada, nos jornais, cartas anónimas para a Polícia Judiciária ou num beco mais escuro e ermo. Havendo dinheiro pessoal pagam-se os silêncios.

Já se notam movimentações com candidatos partidários e comentadores a tomarem para si as dores de Salgado. E se ele conta o que sabe? Guterres viu aumentadas as suas possibilidades de ser o candidato presidencial do PS. Costa pode ser obrigado a desembaraçar-se dos socráticos cujo afã em torno de Salgado lhe traz embaraços. Seguro aguarda por novas revelações. "Quem sabe, sabe e o Ricardo sabe."

 

LA FORTALEZA DE LAS MUJERES - Prof Raul Iturra

Pocos días antes de este, había escrito que la mujer portuguesa es una mujer de garra. Me parece haber restringido mucho el campo de mi preocupación. ¿Porque solo las mujeres de Portugal y no las mujeres todas que saben amar? Así, restrinjo de nuevo ese campo de mi preocupación para las mujeres que aman y corresponden a amor de los otros y, ciertamente, de la persona que aman. Digo persona que aman y no como antiguamente habría dicho: del hombre que aman. Atención a ésta idea, es mucho más abierta de lo que parece. No es solo la libido la emoción que da fortaleza a una mujer. Hay los hijos, las causas, los trabajos, el arte, el empleo del tipo que sea. En todos estos campos y otros más que no voy a mencionar porque la lista sería muy larga, es en donde la mujer se distingue con fortaleza. ¿Por qué la mujer y no los hombres? Desde que me acuerdo, y tengo años como para recordar mucho, los hombres han comandado la sociedad y sus conveniencias, o la sociedad y sus descontentamientos. Las mujeres han quedado relegadas al plano de mamá, servicio doméstico en su propia casa y la servidumbre para a familia, además de trabajar en empleos que pagan poco para ayudar al sustento familiar: un doble trabajo, ese público del empleo y ese privado de servir la comida, comenzando por hacer las compras, limpiar los tachos y la casa todo, mientras que, en el caso que tuviera hombre, él va al bar, o a jugar al fútbol y hacer el amor a la hora de la siesta.

Felizmente las formas de ser comienzan a mudar. Antes, el servicio doméstico, el arte y la ciencia; hoy, la vida pública, la Presidencias de las Repúblicas, de las cámaras y la organización de los presupuestos o para la casa o para el país. Esto sucede entre los pueblos occidentales cristianos, y, eventualmente, en países islámicos.

Habría mucho que decir sobre la fortaleza de las mujeres, pero me detengo en dos que han despertado mi admiración: una, que a pesar de sufrir una enfermedad que mata, sabe tomar las medidas necesarias para su mejoría y la otra, unida a ella por lazos consanguíneos, busca todas las alternativas para que la primera quede bien. O la mujer del marido que tiene empresas y lo ayuda a gestionarlas: mientras él amasa una fortuna, ella amasa los bienes que son la base de la fortuna.

¿Y las mujeres que nos aman y acompañan a pesar de nuestros dolores y quejas? ¿Y los hombres que las saben orientar por este difícil camino de la vida pública, que él conoce por experiencia y ella por práctica reciente que aprende en el trabajo, nuevo para ellas y que él oye y aconseja?

La fortaleza de la mujer no tiene medida, en cualquier clase social. Llevan en su vientre los bebés hasta el corto permiso pre natal, les dan vida con dolor y, acabada la licencia, deben buscar o una abuela o una nana para que cuide al bebé cuando vuelven al trabajo, o hacen turnos con el padre de la crianza para que durante un tiempo él quede en casa a cuidar al descendiente, y la semana siguiente el turno es de ella. O uno busca trabajo que se puede hacer en casa, como la contabilidad, en cuanto el otro sale a la vida pública.

La fortaleza de las mujeres no tiene nombre ni valor: es toda ella quien se entrega a criar y producir. El hombre no tiene los medios para tamaña empresa, especialmente la de la gestación, solo la mujer tiene ovarios para recibir e esperma que el hombre, en su pasión, le entrega.

Estas palabras están escritas porque he visto una a morir, mientras su consanguínea, con prudencia, se encarga de buscar las alternativas para esa mejoría. Pregunta, da ideas, consulta a los hijos y dice ¿qué te parece si….? El cuestionado siempre le parece bien, porque alivia su trabajo y los cuidados de la mujer enferma.

Tanto podría decir, pero el espacio no lo permite. Nosotros, desde afuera, vemos, oímos, callamos y nos orientamos por la mujer que opina y sabe actuar, con respeto y admiración porque en mi juventud esto no acontecía: la mujer era esclava y sierva.

Dedicado a las hermanas que se apoyan en silencio, sin ostentar el bien que hacen ni las mejorías de enfermedad por fortaleza de la que esta grave.

Fue una mujer la que organizó toda una aldea, el día que el ministro Crato de Portugal, para ahorrar divisas a su gobierno neoliberal, juntó escuelas e kilómetros de distancia: dijo que los niños de ahí no salían, sería faltar el canto de los pajaritos en las horas de recreo y el día en que la medida se ima a implementar, un cordón de madres se puso entre la policía y los niños y así no podían pasar y como defender hijos no es crimen, se retiraron en silencio. Los padres, armados de horquetas, en le sombra, estaban preparados para actuar si fuera necesario, pero no fue necesario el empleo de la fuerza bruta de los machos, que es todo lo que saben hacer. La fortaleza de esa mujer fue imitada por todas las madres, abuelas y tías de los infantes y en otras aldeas del país. Crato quedó en pánico y la coacción acabó. El gobierno es del pueblo, para el pueblo y con el pueblo, debe haber pensado en esas palabras de Lincoln y la democracia volvió al país

Como la que ejercita la consanguínea para salvar a su casi gemela.

 

Raúl Iturra

29 de julio de 2014.

lautaro@netcabo.pt

 

 

 

 

Cheque dentista um programa exemplar

Usando a estrutura dos milhares de dentistas já instalados, sem custos fixos para o estado e sem mais funcionários públicos já foi possível chegar a milhares de jovens que frequentam a escola pública, idosos,  às grávidas e aos portadores do HIV. Tudo num curto espaço de tempo. É preciso agora chegar aos alunos das privadas e ao milhão de diabéticos que existem no país. Correia de Campos que lançou o programa, bem foi pressionado para admitir mais umas centenas de dentistas nos hospitais públicos. Para "entrarem às 8 e saírem às 13 horas" nas suas próprias palavras. Foi pelo mais racional, que é mais barato ( o estado só paga o serviço efectivamente feito) e chegou rapidamente aos utentes. Uma solução para estender a mais programas em diversas áreas. Aproveitar as estruturas já instaladas em todo o país e não gastar dinheiro em estruturas paralelas públicas por razões exclusivamente ideológicas.

Recentemente, a Entidade Reguladora da Saúde questionou a universalidade e equidade no acesso aos cheques-dentista, lembrando que ficam de fora crianças que frequentam escolas privadas e grávidas não seguidas nos serviços públicos. Já foram emitidos mais de 600 000 cheques e efectivamente utilizados mais de 400 000 desde o inicio do programa. Calcule-se o peso que estes números teriam sobre os hospitais e centros de saúde.

 

 

 

Com a concorrência Seguro já está a melhorar

Pagar a dívida ao FMI que nesta altura custa o dobro dos empréstimos obtidos nos mercados. A Irlanda já está a trabalhar nessa solução junto das instituições financeiras europeias. Percebe-se mal que não se poupem milhões em juros com uma operação simples e que faz todo o sentido. E abre caminho à solução que melhor ajuda os países com dívida elevada. A compra pelo BCE dessa dívida que seria paga pelos dividendos futuros a receber pelos países accionistas do banco central.

Sem perdões e sem prejudicar os investidores, mantendo a confiança dos mercados. O exemplo da Argentina, novamente à beira da bancarrota, mostra bem que "não pagar" significa pagar com língua de palmo.

 

 

 

Os pensionistas vão esperar não sentados, mas deitados

O António Costa diz que chegando a primeiro ministro vai repor as pensões e os salários. E que o salário mínimo será superior ao exigido pelas associações patronais e sindicatos. Eu agradeço penhorado ( não, ainda não me penhoraram a pensão) porque, na verdade, não podendo queixar-me ( a minha pensão é bem maior que a média) a minha família cresceu. Tenho agora duas netas e a mais velha já anda no colégio ( como não me deixam exercer o direito de escolha da escola, pago a escola pública e o colégio) . Mas quando a esmola é grande o pobre desconfia. Onde vai Costa buscar o dinheiro? Como não há empréstimos a curto prazo ( o tal instrumental) só pode aumentar os impostos e aí, tira-me com uma mão o que me dá com a outra. Ando a matutar na coisa. Será que é isto o tal plano a médio e a longo prazo? É que aumentar a riqueza para distribuir, a economia tem que crescer mais do que o esperado e, isso, só daqui a cinco anos. É caso para dizer que na minha idade e na dos outros pensionistas vamos todos esperar, não sentados, mas deitados. Ora, porra, António.

Salvar o SNS - o estado só paga medicamentos que curem - 2

Partilhar o risco com quem vende medicamentos novos e, muitas das vezes, supostamente inovadores. Depois de uma guerra com a introdução dos genéricos temos agora mais um passo importante para a sustentabilidade do SNS. Claro que tudo isto é normal há muito nos restantes países europeus. Com vinte anos de atraso e respectivos custos, chegou enfim a Portugal uma política do medicamento com inegáveis vantagens para o doente e para o bolso do contribuinte. Até agora mandavam as farmacêuticas, a associação de farmácias e alguns (muitos) médicos.

Garantias de liberdade de escolha para os utentes, ricos, remediados e pobres."

Aprender com quem tem muitos mais anos de democracia e de estado social. No caso a França. "Alguns dos aspectos por onde poderá passar a reforma do estado implicam escolhas que não deixarão de exprimir opções ideológicas. Não apenas nas áreas em que é inquestionável a presença do estado enquanto provedor único e insubstituível - como sejam a defesa, a ordem pública e a justiça - não existe uma visão una e indisputável entre as diferentes organizações políticas como, sobretudo, nas áreas sociais concorrem diferentes modelos de organização e participação de agentes públicos e privados, expressando diferentes concepções ideológicas quanto aos limites da produção pública. A título de exemplo, veja-se o sector da saúde, onde a existência de um direito universal de acesso à saúde não implica o monopólio do Estado mas onde, no caso português, qualquer evolução a partir do status quo actual pressupõe uma escolha, entre nós classificada e vista como ideológica. De facto, não é necessário que todo o sistema nacional de saúde seja operado pelo Estado, como defendem os conservadores, à esquerda mas também à direita, sendo possível que se evolua para um sistema como, por exemplo, o francês, em que todos têm acesso quase gratuito a um sistema nacional de saúde, onde concorrem de modo quase paritário, operadores privados e públicos, com acréscimo de eficiência e garantias de liberdade de escolha para os utentes, ricos, remediados e pobres."

A Ordem dos Médicos contra a liberdade de expressão

O senhor Bastonário tão indignado com a chamada lei da rolha do ministério, quer calar o site Bommédico que avalia os médicos publicamente. Para quem anda distraído, mais uma vez se chama a atenção para o essencial. Quando alguém ou alguma corporação tenta cortar um direito à sociedade é sempre a democracia que está em causa. Uma vez cortado um direito logo se passa, na primeira oportunidade, para o corte de outro. E, assim, sucessivamente, se chega à ditadura. Este é mais um exemplo .A mesma pessoa que tenta impedir os cidadãos de exercer o direito de expressão é o mesmo que diz : José Manuel Silva alertou ainda o PCP para a publicação da versão final do código de ética da saúde, que designa de "lei da rolha", considerando que "procura impedir profissionais de transmitir às ordens profissionais todas as situações de dificuldade, insuficiência, de pressão no local de trabalho que possam prejudicar a prestação de cuidados". Só "eles" têm direitos.