Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A dívida do PS é impagável diz o deputado do PS João Galamba

A dívida é impagável diz o deputado João Galamba um dos que defendeu com unhas e dentes as políticas socratinas que nos trouxeram a esta situação. Entrou para deputado na quota da ex-namorada do Sócrates e, como não há almoços grátis, tem que pagar com estas inspiradas tiradas.

Não é nada com eles, foi tudo obra da crise mundial que nos apanhou a nós mas não a todos os países decentes. Agora o que se esperava era que o Galamba dissesse como se faz, já teve mais que tempo para mostrar o que vale.

 

 

 

O uso e abuso do direito à greve

A maioria dos portugueses acha que o uso do direito à  greve deve ser limitado em determinadas circunstâncias. Uma clara maioria dos participantes no barómetro (66,2%) defende a limitação do direito à greve em determinadas situações. São apenas 22,6% os portugueses para quem o direito à greve é inquestionável, seja em que circunstâncias for.

Estas conclusões são o resultado da utilização abusiva do direito à greve, um direito conseguido com sangue, suor e lágrimas que agora é utilizado na luta partidária. A banalização do direito à greve não é boa notícia para ninguém.
Ficheiros Anexos: 

A Presidenta Eleita do Chile, Michelle Bachelet apresenta a equipa de Ministros para o seu Governo Março 2014-Março 2018

 

Michelle Bachelet tinha sido Presidente da República do Chile entre 2006-2010, após renhida disputa com o atual Presidente, Sebastián Piñera, do Partido Renovação Nacional, a quem entregara a banda e a piocha presidencial. Passados 4 anos, e imagem se inverte e é agora Sebastián Piñera quem entrega o mando a sua antiga rival, Michelle Bachelet, para o período 2014-2018. Não é um acaso, é um objetivo que a leva a ganhar a sua contricante Evelyn Matthei, quem obteve apenas o 33% dos votos, apoiada por Piñera e o seu partido mas en nome do seu próprio partido, a UDI ou União Democrática Independente, conformado pelos aderentes do antigo Ditador do Chile e organizado pelo antigo amigo do General Alberto Bachelet, assassinado em tortura pelos seus colegas da Força Aérea do Chile. O General Fernando Matthei não esteve involucrado em tamanho delito, mas também nada fez para o impedir. Histórias!

 

A filha do General Alberto Bachelet, quis se apresentar para um segundo turno presidencial e ganhou com o 62% dos votos à filha do General em retiro, Matthei. A justiça da história, como pode-se ler em http://www.infobae.com/2014/01/24/1539210-chile-michelle-bachelet-presento-su-gabinete-ministerial

Organizou um grupo de coligação denominado Nova Maioria, que a levara ao triunfo em Dezembro de 2013. Tenho já explicado estes fatos aos nossos leitores, mas queria relembra-los, caso o não tiverem lido ou já esquecido por causa dos problemas que nos agitam em Portugal, ao bordo de eleições legislativas e presidenciais em Setembro de este ano, com uma grande dívida em empréstimos de bancos estrangeiros que nos tem ao bordo do colapso económico. De resto, as eleições são semelhantes, com a diferença de que o Chile possui uma economia sã e sem dívidas.

O objetivo de Portugal, é como pagar a dívida; o do Chile, como educar. O Objetivo de Bachelet e os partidos que a acompanham, todos de esquerda, é o de implementar a educação com a opinião dos estudantes e as suas associações e de resolver um caso de limites marítimos com o Perú, caso que está a a ser estudado no Tribunal da Haia. Com todo, o PIB chileno deve ser mantido tão alto como é agora e existem os meios para que O Chile seja um país rico, contrário no caso de Portugal.

A presidenta eleita começou a trabalhar desde o dia da sua eleição. Quatro anos é um tempo curto para legislar, especialmente em assuntos da educação, mantendo a economia em alta e m país sem dívidas.

A Presidenta eleita apresentou a equipa que deve acompanhar estes quatro anos, composto por uma alta maioria de independentes e outros com partidos com larga experiência de governo:

 

Assim é o gabinete de Bachelet: Interior (Primeiro Ministro em Portugal): Rodrigo Peñailillo (PPD ou Partido pela Democracia); Cancillería (Assuntos Estrangeiros): Heraldo Muñoz (PPD);Defensa (Defessa): Jorge Burgos (Democracia Cristiana, muito diferente do CDS – PP de Portugal, por ser no Chile um partido da esquerda);Hacienda (Finanças em Portugal): Alberto Arenas (PS, como em Portugal, mas com o apelido de materialista histórico, partido da Presidente Bachelet e de Allende, Lagos, antigo Presidente do Chile);Secretaría General de la Presidencia ( não existente em Portugal): Ximena Rincón (DC);Secretaría General de Gobierno: Álvaro Elizalde (PS);Economia (de esquerda para o povo, com o povo e do povo, herança de Allende: Luis Felipe Céspedes (DC, reitero, partido revolucionário);Desarrollo Social (não há em Portugal, é uma Secretaria do das Finanças): María Fernanda Villegas (PS);Educación (sem ciência por que ela está na educação): Nicolás Eyzaguirre (PPD);Justicia (Justiça em Portugal): José Antonio Gómez (PRSD ou Partido revolucionário pela Social Democracia, que já teve 4 Presidentes y apoiou à Allende);Trabajo (Trabalho entre nós): Javiera Blanco (DC);Salud Saúde, uma médica socialista: Elia Molina; Obras Públicas em Portugal, secretaria do M da Economia): Alberto Undurraga (DC); Vivienda y Urbanismo (em Portugal; Obras Públicas Transporte e Comunicações): Paulina Saval; Bienes Nacionales (Património em Portugal, depende da pasta Cultura do Ministério das Finanças): Victor Osorio (IC);Agricultura (em Portugal Agricultura, Ambiente e Pescas): Carlos Fuchs; Minería (em Portugal, pasta do Ambiente): Aurora Williams (PRSD);Transportes (Ministério Português, já referido como Obras Públicas e etc.: Andrés Gómez Lobos; Energía( pasta de Obras Públicas: Máximo Pacheco (DC);Medio Ambiente: Pablo Badenier (DC); Servicio Nacional de la Mujer (Ministério do Trabalho em Portugal): Claudia Pascual (PC); Deportes (os desportos dependem da Presidência da República em Portugal: Natalia Riffo; Cultura já referido para Portugal): Claudia Barattini.

Os nomes são sempre transitório, é apenas uma homenagem que dou a Presidente de República do Chile, que governa claramente com a esquerda, tendo o PC Chileno mais responsabilidades na educação pela alta maioria obtida na eleição presidencial e por ser educar a sua incumbência, como disse quando falei de Clotário Blest, Presidente da CUT.

O novo governo será formado por Partido pela Democracia, com seis pastas, Democracia Cristã (5); Partido Socialista (3), Partido Radical (2) e Partido Comunista (1). PC e Assembleia Constituinte

Já em relação aos movimentos sociais e à esquerda no governo, as especulações sobre a participação do Partido Comunista na formação do gabinete de Bachelet se confirmaram em parte. A legenda voltou a ter um cargo ministerial, algo que não conseguia desde o governo de Salvador Allende (1970-1973), com a nomeação da antropóloga Claudia Pascual para o Ministério da Mulher. Porém, não se cumpriu a expectativa de que o PC teria cargos de maior relevância. Com todo, tem representantes nos Ministérios do Trabalho e da Educação, de pouca monta. No Governo de Allende, governavam à Agricultura e David Baytelman e Jaime Iturra Redondo, como Secretários de Estado para a profunda Reforma Agrária que fizeram: transferir todas as terras de lavradio para os trabalhadores rurais.

E é assim como Bachelet prepara o seu governo que começa a 13 de Março de 2014. Apesar de ter um Presidente eleito pelos comunistas nos anos 5 do Século passado, há pouca confiança no PC chileno. Recabarren, a quem referi ontem, e Neruda, eram o primeiro deputado do PC e Neruda Senador. O primeiro não assumiu, o segundo, Neruda, teve que fugir com a ajuda de Gabriela Mistral, o Prémio Nobel Literatura de 1945, professora de Neruda, a quem ajudou no seu exílio, a quem seria Premio Nobel em 1972, Pablo Neruda.

O novo governo será formado por Partido pela Democracia, com seis pastas,

http://es.wikipedia.org/wiki/Partido_por_la_Democracia , fundado por Lagos, antigo Ministro de Allende, Presidente da República a seguir,Docracia Cistã (5); Partido Socialista (3), Partido Radical (2) e Partido Comunista (1).

O intuito da educação é o mais importante para a Presidente e vamos falar do assunto ao longo do governo Bachelet, que formou uma equipa incrível para governar.

El ministro de Educación, Nicolás Eyzaguirre, ex ministro de Hacienda de Lagos y ex director para América Latina del FMI, deberá usar la recaudación para financiar la reforma educacional exigida por decenas de miles de estudiantes. Bachelet se plantea lograr gratuidad para el 70% de los alumnos más desfavorecidos durante su mandato y alcanzar una educación gratuita en los siguientes seis años. Pode-se ler sobre ele em http://www.infobae.com/2014/01/24/1539210-chile-michelle-bachelet-presento-su-gabinete-ministerial

 

Entretanto, pode-se saber o desenvolvimento dos acontecimento em http://operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/33640/bachelet+nomeia+neoliberal+para+ministerio+da+educacao+pc+volta+a+ter+cargo+no+governo.shtml

A ver vamos que vai acontecer

Raúl Iturra Redondo

31 de Janeiro de 2014.

lautaro@netcabo.pt

 

 

 

 

Pág. 15/15