Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

E se os milhões da colecção Miró fossem aplicados na fachada poente do Palácio da Ajuda ?

O Palácio Real da Ajuda está inacabado há séculos. É uma tristeza e uma vergonha que um palácio onde se realizam cerimónimas entre estados continue parcialmente desventrado. E que esteja à mercê da ladroagem.

Anda para aí gente muito indignada com a venda da colecção Miró mas esquecem ostensivamente o património existente muito mais valioso. "

Estando ao quase abandono há gerações, o Palácio Real da Ajuda é uma das muitas vítimas do desleixo do Estado, embora governos e presidentes dele se sirvam para umas tantas cerimónias. Sem qualquer vergonha, apresentam aos visitantes estrangeiros um edifício semi-arruinado, de fachadas escalavradas pela incúria, quando não completamente destruídas. É este um caso emblemático do Estado que temos, chegando-se ao ponto de no edifício instalar-se o departamento de Cultura do governo português.

Sabe-se o que por lá se passa. Colecções empacotadas e sem a menor possibilidade de exibição pública, as Jóias da Coroa - já desfalcadas por um ainda recente e absurdo roubo holandês de contornos misteriosos, aventando claras cumplicidades sem castigo -, peças que pertenceram ao recheio do Palácio e que se encontram a uso de funcionários, salas deterioradas pelo passar dos anos, enfim, um aberrante contraste com aquilo que vemos noutras capitais europeias.

 

 

 

Aumentar impostos cá está a solução do PS

Depois de ter aumentado pornograficamente o défice para 10,1%, com uma despesa pública completamente descontrolada, o PS pela voz de João Galamba quer agora resolver o problema que criou com aumento de impostos. Afinal o "monstruoso aumento de impostos" de Vitor Gaspar, não é tão grande assim. Mas temos que admitir que esta posição tem uma vantagem. Atira com o PS para os braços do PCP e do BE, LIVRE e 3D  para quem a "regra de ouro ( 3% de défice e 60% de dívida) não é para levar a sério.

Com a eminente saída da Troika começam a soar as vozes da sereia que nos atiraram para a miserável situação em que o país se encontra. Já se reinvindica mais obra pública, mais betão, com a chegada dos subsídios europeus. E agora mais impostos. É fartar!

Jovens encontram trabalho na agricultura

Há cada vez mais jovens a procurar na terra o seu sustento. Já não são só famílias carenciadas ou de baixos recursos a querer plantar alguma coisa ao pé de casa para compor o orçamento familiar, nem tão pouco se trata do regresso à terra de pessoas criadas no campo, que a vida levou a empregarem-se na indústria e no comércio, na cintura das cidades e que matam saudades da enxada na reforma.

Às autarquias chegam cada vez mais pedidos de gente que trabalha nos serviços ou tirou um curso superior. Na região de Aveiro, o concelho de Sever do Vouga é um caso aparte. A Câmara juntou parceiros para dinamizar uma bolsa de terras, com o objetivo explícito de incentivar a cultura do mirtilo, numa aposta de especialização. São jovens, sem saídas profissionais, atraídos pela perspetiva de candidatura a incentivos comunitários e garantia de escoamento da produção, desejosos de copiar exemplos de sucesso com o mirtilo no concelho.

Morder a mão a quem lhes paga o salário

O "Mecenas" é isso mesmo. Alguém que dá, que ajuda. Que merece retribuição.  Mas para o sindicato dos trabalhadores do Mosteiro dos Jerónimos e da Torre de Belém é ridículo ostentar na farda o logótipo do "Mecenas". Os jogadores de futebol , os ciclistas, os desportistas em geral ostentam os logótipos de quem lhes paga o salário e, que se saiba, compreendem muito bem e agradecem. O mesmo se passa com os trabalhadores que reparam o elevador aqui do prédio ou os técnicos de televisão que se deslocam cá a casa quando é necessário.E no supermercado lá estão com as respectivas fardas.

Mas a razão do destempero está toda aqui nesta frase :  "Por que é que o Governo não usa uma camisola com o emblema da 'troika' que é o seu mecenas?".

Se não tivessem o salário certinho ao fim do mês, outro galo cantaria...

 

Para quê eleições antecipadas ?

"O PS ainda não está preparado para ser governo" diz o deputado socialista João Galamba. Então para quê exigir eleições antecipadas? Ainda há um grande trabalho a fazer para mobilizar a sociedade portuguesa e para o PS se constituir como uma verdadeira alternativa.

O PS não está preparado. O PCP não pode governar com 8% dos votos. O BE está numa fase de autofagia. Há coisas que me escapam de todo!

As tias e a colecção do Miró

Não sou dos que advoga a populista tese defendida, em tempos, por Durão Barroso segundo a qual não deveríamos investir em mais obras públicas enquanto estiver uma criança a morrer de fome, mas a recente obsessão pela colecção de quadros de Miró é no mínimo surpreendente. O que seria dito se o secretário de Estado da Cultura, Barreto Xavier, anunciasse que o Estado iria fazer uma licitação de 36 milhões de euros por 85 quadros do pintor espanhol num leilão em Londres? (Económico)

O Meco

O Meco . A tragédia do Meco, que levou à morte de seis jovens, ficará para a história como um belíssimo exemplo da incompetência policial e judicial. E um dos grandes acontecimentos que é levado a reboque da investigação jornalística e da pressão dos pais das vítimas. ( Francisco Moita Flores . CM)

O funeral do BE

Durante uns tempos, a festiva agremiação viveu à custa de conflitos de "costumes", como o aborto a expensas públicas ou o progressista acesso dos homossexuais a uma instituição que os progressistas abominavam. Depois de o PS do eng. Sócrates ajudar a consagrar esses decisivos avanços da humanidade, o BE faleceu. Não é à toa que o comandante Louçã (filho) abandonou o barco. Mas é à toa que os discípulos de Louçã cirandam desesperados por aí, a tentar crescer por fragmentação e fingir que a adopção por casais gay, na prática já viável através de habilidades jurídicas, é um tema premente.

A Argentina criou a tempestade perfeita

Tempestade perfeita : recessão acompanhada por alta inflação. Sem acesso ao mercado internacional de crédito e ainda com dívidas da bancarrota de 2001, a Argentina depende das exportações e dos investimentos directos que deixaram de aparecer.

Sem divisas, com profundas desvalorizações do "peso", a moeda Argentina, com inflação de 6% ao mês ( tanto como os seus vizinhos ao ano) congelamento e desvalorização dos depósitos bancários o país, ensaia um modelo demasiado "neoliberal" para sair da crise.

É de tal ordem que os países vizinhos, entre os quais o Brasil, receiam o contágio. A Argentina paga com língua de palmo as bravatas dos que prometem a "terra do mel" a quem não pagar a dívida soberana.

O Berardo compra a colecção Miró com acções do BCP

Faz-se um negócio com alguma imaginação e, entre as acções do BCP, o dinheiro da CGD e as dívidas do Joe , ficamos com a colecção dos quadros de Miró. Todos os pareceres  apontam para uma grande perda para o país se vender a colecção. Acredito, mas que dizer do quadro de Josefa de Óbidos que ardeu porque a igreja onde estava exposto não tem umas centenas de euros para reparar a estrutura eléctrica ?

E que dizer dos milhões gastos no novo Museu dos Coches que não abre ao público por falta de dinheiro? E o Palácio da Ajuda que há séculos que não é acabado? E a Janela Manuelina do Mosteiro de Tomar que já esteve mais do que uma vez em perigo de se perder? E todos os mosteiros e castelos velhos de séculos que arrastam a agonia de se desmoronarem?

Dizem os pareceres de técnicos que o nosso Turismo teria muito a ganhar com a colecção pois seria mais um chamariz para o turismo cultural. Acredito! Mas quem não tem dinheiro não compra colecções de arte nem constrói museus desnecessários.