Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

A RTP custa num mês o que um hospital custa num ano

Mais coisa menos coisa. Num país em que há listas de espera para cirurgias ( 160 000 doentes) há aqui qualquer coisa que me escapa. Não percebo as prioridades. 200 milhões por ano ( chegou a custar perto do dobro) é muito dinheiro. Claro que há serviços prestados importantes -  internacional, África - mas o resto pode ser contratado com os privados. Muito mais barato .

Mas, é claro, que os mesmos de sempre acham o serviço público de televisão inegociável como, aliás, todos os outros serviços do estado. No fundo há que manter o estado que nos levou à bancarrota.

O povo paga o circo do Real Madrid

A transferência de um jogador chega ao montante de 99 milhões de euros. Num país em dificuldades segundo rezam as crónicas. Mas não nos iludamos. Isto é possível porque a populaça paga. Os que deveriam estar em crise.

Os estádios de futebol estão cheios; o Algarve regista uma enchente; há quem vá apanhar sol para as Bermudas e há quem peça dinheiro aos bancos para comprar casa que não pode pagar.

Enquanto as pessoas alimentarem o circo ele não acaba. Não se queixem!

Nem só os juízes têm falta de bom senso

Passos Coelho não ganha nada fazendo discursos destes. Pode ter a razão toda ( tem muita) mas o Tribunal Constitucional faz parte da democracia e não vai mudar a sua interpretação. Com ou sem críticas do primeiro Ministro. É preciso seguir em frente. Os problemas existem e não é com querelas que se desatam.

A Troika também ficou a saber que o governo fez o que tinha a fazer é pois natural que facilite a vida ao governo. Aumentando prazos, reestruturando a dívida. E o comportamento da economia também pode vir a ajudar. Aliás, um factor que pode vir a prejudicar o andamento da economia é a implementação de medidas recessivas. Há, pois, que afastar o que é mau e acarinhar o que é bom ou pode vir a ser bom.

A oposição vai deitar gasolina para a fogueira. O governo odeia a Constituição, odeia a democracia, está a preparar mais medidas contra o povo ladeando a decisão do TC...

Faz tudo parte do jogo democrático. Ao governo compete tornear as questões e apresentar soluções.

 

Aniversário Nascimento de Salvador Allende, 26 de Junho de 1908

hoje seriam 105 anos… mas a Tencha faleceu em 1909 enquanto falava com a sua filha em casa, morreu como viveu: a dar lições a Senadora Isabel Allende Bussi… não há festa…

 

COMEMORAÇÃO 100 ANOS NASCIMENTO DE SALVADOR ALLENDE

http://www.youtube.com/watch?v=NYJjYkKAYOE


A conheci como Primeira-dama da República do Chile. Sempre bem penteada, bem vestido, magra, sorridente, amável e serena. Falava de forma cadenciada, com o seu sorriso sempre alegre, sem gargalhadas: uma Senhora. O seu marido, que era um pituco (betinho em Português Europeu), adorava vê-la bem vestida, perfumada, mas sem pintura: devia ser o exemplo da mulher do povo chileno, que tinha sérios limites para comprar indumentária como Dona Tencha. Era, porém, parca na sua vestidura, mas elegante para o seu marido.

Tinha nascido em Rancagua, cidade situada no centro sul do Chile, a 22 de Julho de, 1914 e falecido em Santiago a 18 de Junho de 2009, uma Quinta-feira (Jueves en Castelhano) seis anos após a comemoração do centenário do seu marido. Foi a última vez que assistira a uma comemoração pública. Um ano depois, falecera aos seus 94 anos, um ano a seguir a festa dos cem anos do seu marido, o Presidente Constitucional do Chile.

Coube-me o prazer da receber em Cambridge, por ser o chileno mais antigo n Grã-Bretanha, ter boas relações com o Primeiro-ministro Billy Callagham, quem a tratara como a toda Primeira-dama, um apoiante de Allende, da sua família, e do povo chileno. Com ele, entramos mais do que trezentos chilenos a morar nas ilhas, com trabalho e bolsas para estudos, outorgadas pela instituição do World University Service.

Em Cambridge ficara em casa do amigo de Allende, o seu Embaixador César Bunster e a sua mulher Raquel Parot.

Foi ai que reparei que o estipêndio concedido pelo Presidente do México, tinha acabado junto com a sua presidência. O sucessor de Echeverria era de outra ideologia. Começamos a juntar moeda para a sustentar e, na nossa Universidade, reparei que, de forma digna, tentava ocultar os buracos das mexias, manter a sua única indumentária limpa e elegante. Falei com as minhas amigas Mónica Echeverria Yáñes de Castilho, a mulher do meu antigo Reitor da Pontifícia Universidade Católica do Chile, aos que asilara e conseguira trabalho como Catedrático na nossa britânica Universidade de Cambridge. Raquel Parot não precisava, estava asilada já na ruiva albeão, como mulher do Embaixador exilado pela ditadura chilena.

Em silêncio e discrição, elas e a minha mulher, compraram a vestimenta apropriada e nunca contaram a ninguém. A Tencha ficou vestida como correspondia a sua hierarquia de Primeira-dama, não apenas para Cambridge, bem como para muitos anos da sua vida.

Era assim querida a Tencha, os dinheiros oferecidos eram por poucas pessoas e em segredo. Coube a Senadora Isabel Allende Bussi, manter a família, em conjunto com a filha adotada, a sobrinha escritora, Isabel Allende Llona.

A seguir esses dias, eu nunca mais fui capaz de vê-la. Ela não saía de casa com os seus de 94 anos (Rancagua,22 de julio de 1914[3]Santiago, 18 de junio de 2009). A vi no meu coração, onde guardo o carinho que sempre tive por ela. Guardo um carinho especial por tão valente e convicta mulher.

11 de Setembro de 2011-reescrito e revisto a

1 de Setembro de 2013.

Raul Iturra

lautaro@netcabo.pt

 

 

A infâmia na Síria

O anúncio de Obama de um ataque dos EUA à Síria é uma resposta à infâmia da utilização de armas químicas pelo regime Sírio contra a sua população, o qual provocou centenas de mortos. Que apresente as provas à ONU! Até para se ver até onde chegam as atitudes hipócritas e calculistas da Rússia e China.

A Síria é um país subjugado por um ditador ignóbil, mais um que faz tudo para manter o poder e que age como se os milhares de vidas perdidas do povo Sírio sejam só uma estatística.

É certo que os Estados Unidos ao longo dos anos têm entrado em muitas guerras onde a defesa dos direitos humanos oculta outros interesses, do petróleo, armas, etc. Mas pelo menos eles, como uma potência, podem dizer que defendem os direitos humanos no planeta. A posição de imensa fraqueza da Europa demonstra que só vale a pena defender os direitos humanos quando podem estar em causa também outros interesses que ponham em causa a economia mundial.

Por cá, ouvi um ex-dirigente do bloco de esquerda condenar a intensão do ataque dos EU pois os EU já utilizaram também armas químicas e que não iriamos agora bombardear Washington por causa disso. Gostava de saber onde e quando os EU utilizaram armas químicas. Mas esta afirmação revela o “lavar as mãos como Pilatos” e um enorme complexo de inferioridade! Os EU são uma potência mundial e, neste caso, estão a pensar no povo Sírio e vão defender um valor que deveria ser Universal!

Que justiça constitucional é esta?

Que permite a um professor ou a um médico ganhar mais cerca de 15% do que um trabalhador do sector privado (estudo de 2009 do BdP) e proteger o posto de trabalho do primeiro à custa do segundo? Que Constituição é esta que aceita despedimentos no sector privado ( aceitando e bem que as empresas cortem no pessoal para se ajustarem aos ciclos económicos) mas os impede no sector público, impondo que a administração pública custe mais do que aquilo que os contribuintes estão dispostos a financiar através dos seus impostos?

Quem vai pagar esta lei rígida são os portugueses que pagam impostos. É bom que todos os que vão aplaudir esta decisão não esqueçam que ela significa impostos mais altos.

PS : Martim Avillez Figueiredo - Expreso)

Pág. 19/19