Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Infraestruturas que não servem para nada

Não é possível continuar a construir infraestruturas que não servem para nada.

“Temos de ter noção que investimento não é despesa. É despesa com retorno. Os problemas não se resolvem com dinheiro, mas com eficiência. Não é possível continuar a fazer infra-estruturas que não servem para nada. Não é possível fazer investimentos sem ter dinheiro para os manter”, frisou o economista que aproveitou as notícias sobre o estado do tempo para gracejar: "felizmente o Verão não vai ser muito quente, caso contrário não haveria dinheiro para abrir metade das piscinas do País”.

 

Nova carta de missão da CGD

Nova administração nova vida? A nova carta de missão da CGD tem como objectivo relançar o crédito junto das empresas.

Para o Governo, mais do que conseguir lidar com as consequências da crise, o banco público tem de contribuir para ajudar a inverter a tendência de contracção da economia. Foi isso mesmo que o ministro das Finanças afirmou há uma semana, no anúncio do programa de relançamento económico. A CGD tem de assumir a liderança na "canalização dos recursos disponíveis para a recuperação da actividade económica, através da dinamização do crescimento do crédito", sublinhou Vítor Gaspar.
Numa antecipação daquilo que deve constar da nova carta de missão da Caixa, o ministro defendeu ainda que a instituição tem de "dinamizar o crescimento do crédito, salvaguardando a gestão e o controlo de risco, com o objectivo de reorientar a estrutura de crédito para o financiamento da actividade produtiva", ou seja, concedendo crédito a empresas de bens transaccionáveis e a projectos de exportação e internacionalização, além do apoio à capitalização de PME.

A PGR esclarece que Passos Coelho não está a ser investigado

A socialista Ana Gomes cospe para o ar com uma facilidade tremenda. Nem sempre é assim, evidentemente. Basta as dúvidas tocarem na sua gente . A Procuradoria Geral da República já veio, publicamente, esclarecer que o Primeiro Ministro não está envolvido na investigação que se está a proceder á empresa  Tecnoforma. Mas o ruído da deputada e de quantos querem prejudicar o governo ultrapassa o que a PGR diz.

Qualquer dia os políticos antes de entrarem no governo têm que "dar prova de morto" ou que estiveram enclausurados num mosteiro . Sempre que é necessário aparece uma suspeita e, para isso, basta estar vivo até àquela data. É claro que a partir de agora o argumento vai ser usado sempre que der jeito.

Nada sabemos sobre os jornalistas e os sindicalistas

Nesta sociedade altamente escrutinada no que diz respeito à vida das pessoas, não deixa de ser estranho que pouco se saiba sobre a vida dos jornalistas e dos sindicalistas.

Sobre os políticos ou sobre alguém que tenha ocupado uma função no estado o escrutínio é permanente, as suspeitas, a realidade e a ficção, entrecruzam-se a ponto de não se saber onde acaba uma e começa a outra. E todos aqueles que vivem dos negócios do estado, passam pelos pingos da chuva, é necessário que um ou outro "cavaleiro andante"  tome a missão entre mãos.

Vem isto a propósito dos sindicalistas que há anos, dezenas de anos, deixaram de exercer a sua função no originário posto de trabalho. Quem é Ana Avoila? pergunta o Henrique Monteiro no Expresso. Como é que chegou à posição que ocupa? Pertence a que organização partidária? Milita onde? De onde lhe chega o poder? Porque é que os trabalhadores a seguem? E os professores seguem Nogueira, o principal culpado do estado da educação, porquê?

Há quantos anos o "alucinado" Nogueira manda na Educação ?

Passam os ministros mas o Nogueira mantém-se. Ele e os seus correligionários não dão aulas, fogem à avaliação e são os únicos a quem não se aplica nenhuma das normas que concertam com os burocratas do ministério. Eles adoram a vida que têm mas os professores, que dizem que defendem, andam com baixa médica ou em depressão. Há algo que está errado, não?

Os ministros mudam, quando muito aguentam quatro anos no cargo, os dirigentes sindicais estão há décadas à frente dos sindicatos. O Nogueira é dirigente sindical há quase 20 anos. Quantos anos é que o Nogueira deu aulas? O Nogueira é o homem mais poderoso na Educação em Portugal. Mais: é o homem que mais manda na Educação em Portugal e há mais tempo. O ministro da educação, ao pé dele, não tem poder nenhum.
Não é possível melhorar significativamente a qualidade e a eficácia do sistema educativo escolar português sem acabar primeiro com o poder que o Nogueira tem sobre a educação e as escolas. Quanto mais uniforme, centralizado e hiper-regulamentado o sistema for, maior o poder do Nogueira e menor o poder do MEC e das escolas.

Concentração das urgências nocturnas hospitalares em Lisboa

Concentração de meios : Assim, e a partir de 1 de Julho, a organização deve assentar em dois centros de trauma com todas as especialidades cirúrgicas: o Centro Hospitalar de Lisboa Norte (Hospital de Santa Maria e Pulido Valente) e o Centro Hospitalar de Lisboa Central (São José, Santa Marta, Capuchos, Curry Cabral, Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa).
Segundo Luís Cunha Ribeiro, o apoio nocturno de neurocirurgia mantém-se no Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (São Francisco Xavier, Egas Moniz e Santa Cruz) e no Hospital Garcia de Orta.
A reestruturação implica que “o apoio ao trauma com cirurgia geral e ortopedia se mantenha em todos os outros hospitais com urgência médico-cirúrgica”.

Não somos dos mais infelizes

Exportamos mais peixe que vinho. Não sabia! O fundo do nosso mar vale um bilião. Suspeitava! A reestruturação da dívida vem a caminho. Que venha rápido. Não somos dos mais infelizes. Vê-se bem, embora quem ouça os "comentadeiros" fique a pensar que o país é um manicómio e que vai cair na miséria no dia a seguinte.

E esta página é muito bonita :

A Alemanha a provar do próprio veneno

A Alemanha viu o desemprego crescer quatro vezes mais que o esperado. Começa a perceber que os países em dificuldade são os que lhe compram os seus produtos. E vai ter que mudar.

Nas eleições de Setembro é muito provável que a Srª Merkel se tenha que juntar ao SPD social-democrata para formar governo.

A evolução do desemprego contraria o optimismo causado pela recuperação, também em Maio, da confiança dos consumidores na Alemanha, que cresceu este mês pela primeira vez desde Fevereiro.

Reduzir cursos e melhorar a qualidade do ensino

cursos que não têm interesse, não têm qualidade e não têm alunos. Mas mesmo assim permanecem gastando dinheiro. Chegou agora a vez de racionalizar, de juntar, de melhorar. E de poupar e deixarem de andar a enganar os pobres dos alunos que acabam os cursos e ninguém os quer.

De acordo com João Queiró, a introdução da articulação regional da oferta é outra das medidas que consta no despacho enviado pelo Ministério da Educação.

“Cada instituição pode conversar com as instituições suas vizinhas, regionalmente, no sentido de, supondo que todos oferecem cursos similares, com procura reduzida, podem conversar e manter o curso numa delas”, disse. Com isto “contribui-se”, segundo o governante, para o tema que “tanto se fala” da “racionalização da rede”.

Os exames não são impreteríveis mas a greve é

Dizem os sindicatos que os exames não são impreteríveis e que podem ser efectuados noutro dia qualquer. A greve é que não, foi marcada em cima dos exames porque não pode ser efectuada noutro dia. Aliás, este assunto já foi objecto de decisão dos tribunais no tempo de Maria de Lurdes Rodrigues que deu razão ao ministério.

Mexer na vida de milhares de alunos e de centenas de professores não tem problema nenhum, mas a greve tem que ser mesmo naquele dia.

É por esta e por outras que é preciso que o ensino deixe de ser centralizado e sindicalizado. Os alunos não estão no centro do sistema. O que está no centro do sistema de ensino são os interesses corporativos dos professores. E o interesse partidário dos sindicatos.É preciso dar autonomia à escola e as famílias terem o direito à escolha.