Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Reescrever o colapso da PT com meias-verdades

 

O "Público" publicou ontem um grande trabalho da Cristina Ferreira, a respeito do colapso da PT. O artigo recupera alguns factos que já tinham sido noticiados e revela outros que ainda não eram do conhecimento público, dando-nos uma perspectiva bastante completa daquilo que de facto aconteceu na PT. É jornalismo de qualidade. Mas hoje, o ex-primeiro-ministro José Sócrates atira-se ao "Público" e à Cristina Ferreira por causa deste artigo, chegando ao ponto de colocar em causa a sua honestidade enquanto jornalista. Isto não se faz e tendo eu acompanhado o sector das telecomunicações como jornalista especializado, entre 2007 e 2013, choca-me a forma como Sócrates tenta reescrever a História com subterfúgios e meias-verdades. Sem querer entrar nas questões que estão sob investigação judicial, há três argumentos invocados nesta resposta do ex-primeiro ministro que sei, à partida, serem infundados:

1. Sócrates diz que o seu Governo foi neutral na OPA da Sonae. E alega que a Caixa - onde pontificava o seu amigo Armando Vara - decidiu votar contra a OPA puramente por razões financeiras, não tendo sido decisiva na derrota da Sonae. De um ponto de vista formal, tem razão. Mas na realidade não é bem assim, pois a Caixa foi decisiva neste processo. A Caixa, banco do Estado, emprestou centenas de milhões de euros a accionistas do chamado "núcleo duro" anti-OPA, recebendo em garantia acções da PT. Se isto não é tomar partido de forma decisiva, não sei o que será. Estamos agora a pagar a factura desses e de outros créditos concedidos pela Caixa durante a era Sócrates.

2. Sócrates diz que foi no seu consulado que a PT perdeu mais quota de mercado, ficando sem o seu histórico monopólio. Isto é, mais uma vez, uma meia-verdade. Pois essa perda de quota de mercado deveu-se à cisão da PT Multimédia, detentora da TV Cabo, que teve lugar após a derrota da OPA da Sonae. Os accionistas da PT - como o BES, Caixa, Berardo, Ongoing e Visabeira - receberam como 'despojos de guerra' as acções da PT Multimédia. A PT perdeu o monopólio, sim senhor, mas os seus accionistas não, pois a PT Multimedia também era deles (e assim continuou a ser até que, já depois de Sócrates sair do Governo, a ZON fundiu-se com a Optimus e deu origem à NOS).

3. Como se sabe, Sócrates chumbou a primeira tentativa de venda da Vivo à Telefónica, em 2010, utilizando a célebre 'golden share', argumentando com a necessidade de a PT continuar presente no Brasil. Hoje, garante a pés juntos que não sugeriu à PT fazer a ruinosa fusão com a Oi, que foi o negócio que levou verdadeiramente ao colapso da empresa. Mais uma vez, uma meia-verdade. O que aconteceu é que Sócrates disse aos accionistas da PT que só aprovaria a venda da Vivo à Telefónica se a operadora portuguesa tivesse uma alternativa no Brasil. Ora, na altura, só havia no Brasil uma grande empresa de telecomunicações que a PT conseguiria comprar, por razões políticas e financeiras: a Oi. Para bom entendedor...

Os ataques à PT depois da compra da Media Capital

António Costa ataca a PT a qualquer pretexto. Ou é por a empresa estar em processo de emagrecimento, com um processo de despedimento de 3 000 trabalhadores - que estão a mais em comparação com as suas concorrentes - ou porque o SIRESP falhou.

A culpa já foi atribuída . Estado 0 - Privado 1 . 

O primeiro ministro já se deu à redundância de dizer que o melhor mesmo é mudar de operadora. Tanto no SIRESP como nos telemóveis dos cidadãos, isto num mercado concorrencial. O que levará o primeiro ministro a fazer um ataque público a uma empresa que opera num mercado concorrencial ?

Será que tem a ver com a compra por parte da ALTICE da Media Capital, empresa de comunicação social que assim escapa ao controlo do governo ?

A táctica é a mesma da Coreia do Norte. Tenham juízo olhem que eu...

 

Costa está a engordar um monstro na PT/Altice

Sejamos claros. Eu também não gosto dos novos donos da PT nem da forma como operam. Quem tem uma dívida de 50 mil milhões de euros e continua a comprar um dia destes dá com os burrinhos na água e alguém vai pagar.

Mas isso é o meu sentimento outra coisa é o racional que orienta os negócios  do grupo. Há quem lhes empresta o dinheiro e negoceiam dentro da lei e, a ser assim, não há como o governo interferir.

Quando lhes venderam a PT já todos sabíamos que a PT está cheia de boys e girls que custam uma fortuna. Num mercado concorrencial a PT tem mais do dobro de empregados dos seus concorrentes. Ora se os preços são semelhantes a PT ou ganha quota de mercado ou corta no número de trabalhadores. Como ganhar quota de mercado ( significativamente) é bem difícil não há como fugir à austeridade. Trabalhadores e fornecedores são as vítimas.

O primeiro ministro com as suas declarações tirou muitos clientes à PT/Altice o que tem como consequência o corte de mais trabalhadores e condições aos fornecedores.

António Costa está a engordar um monstro que há muito anda escondido por trás da sigla PT e dos seus antigos accionistas e administradores que faliram a empresa de braço dado com o estado principalmente nos governos Sócrates.

A culpa é da PT não é da Altice.

PS : O grupo francês Altice, que comprou há dois anos a PT Portugal por cerca de sete mil milhões de euros, anunciou em 14 de julho que chegou a acordo com a Prisa para a compra, por 440 milhões de euros, da Media Capital SGPS, SA, que detém a TVI.

 

A culpa é da PT não é da Altice

privatização iniciou-se com António Guterres, foi ordenhada por José Sócrates e seus muchachos e acabou com a venda da "golden share" por Passos Coelho.

Depois do que aconteceu à PT esperavam que boas empresas se interessassem pela empresa de comunicações ? A PT estava ( e continua a estar) espremida até ao tutano, com as prateleiras cheias de boys e girls( a ganhar principesca mente) e de pessoal desnecessário. Era de esperar que a Altice não se queira livrar dessa tralha ?

É claro que a Altice compra estas empresas que estão num buraco para as aliviar do fardo e a seguir as vender às postas. Mas é preciso que as empresas a comprar como a PT se ponham a jeito .  A culpa não é da Altice é da PT e de quem a levou à falência .

Já agora olhem para o Novo Banco e para o comprador. As boas compradoras não querem más empresas. Em relação a esta última até já temos o governo a dizer que nos vão aos bolsos ( aos contribuintes a quem seria ? ) Tantas mentiras de Costa & Cª...

E para aqueles que andam cegos com as mentiras ou meias verdades de Costa deixo aqui o texto que escrevi há algum tempo. Houve gente que não gostou.

Uma ALTICE (ssíssima) golpada

Que eu saiba MEO e PT não são marcas são designações comerciais de empresas independentes e com natureza jurídica própria. Para lhe mudarem o nome comercial vão ter que as extinguir e criar uma só empresa com a designação jurídica de ALTICE .

A primeira consequência , é que aqueles cerca de 3000 trabalhadores que estão em casa a receber o seu salário vão ser envolvidos num processo que visa entrar em ruptura com o contrato em vigor. E vão direitinhos para o desemprego . Direitos adquiridos ? Marca global ? Pois sim, conta-me histórias que eu gosto.

Depois de criarem uma empresa global, estabelecem a sede numa off shore onde se pague uma baixa taxa de IRC ( na Holanda ou no Luxemburgo) e, para efeitos fiscais, os prejuízos  da ALTICE que opera na Colômbia, por exemplo, reduzem aos fabulosos lucros que obtém em Portugal ( por exemplo) . Com um pouco de sorte arrecadamos os descontos para a Segurança Social e do IRS.

Para vergonha de quem colocou a PT nas mãos de "caçadores" de fortunas, não de empresários, ainda havemos de saber como é que o Estado através da CGD e do BES impediu a OPA da SONAE, empresa portuguesa.

Mas agora resta-nos chorar e fazer de conta que o Estado vai impedir a golpada e o desemprego de uns milhares de trabalhadores, de peito feito, vou gostar de ver o António Costa distribuir culpas por tudo quanto mexe menos, é claro, pelos seus camaradas do governo a que ele próprio pertenceu. 

A OPA mal sucedida da SONAE sobre a PT

Apesar da PT ter prometido distribuir elevados dividendos em anos futuros para compensar os accionistas das mais-valias não realizadas com a derrota da OPA, tenho para mim que foi aqui que os compadres se zangaram . E os montantes envolvidos eram fabulosos. Para alguns ganharem muito alguém teve que perder também muito.

Quem não gostou foi a SONAE que gastou muito dinheiro para preparar e lançar a OPA . E foi enganada com a posição dúbia do governo e da CGD. E, claro, Belmiro de Azevedo tem muito dinheiro e poder e não deixou morrer o assunto. "Estavam todos feitos" garante o seu filho Paulo Azevedo.

capa_jornal_sol_29_04_2017.jpg

 

 

Na PT houve um assalto ao poder não foi só ao dinheiro

Para quem quis ver o que se passou na PT foi sempre claramente um processo de assalto ao poder. Hoje já é mais que evidente . A influência que Sócrates teve na OPA da SONAE, na compra e venda da VIVO e na posterior compra da OI é indiscutível.

Perderam-se 10 mil milhões e já durante esse processo milhões escorriam para as contas de generoso amigo do ex-primeiro ministro. Ouvir a gravação do anúncio ao país da extraordinário negócio é uma dor de alma. No negócio teria ganho a PT e o país como garantia Sócrates.

Mas a influência nefasta de Sócrates na PT viria a revelar-se mais tarde, quando condicionou a venda da Vivo à manutenção da actividade da empresa no Brasil, e em parceria com Lula entregou a grande empresa portuguesa nos braços do telegangue da Oi. Não é por acaso que na Lava Jato, há accionistas de referência da Oi envolvidos com a justiça brasileira. Foi a estes senhores de duvidosa credibilidade que a PT se entregou. 

Já antes da reprovação,  em assembleia-geral,  da OPA,  a 2 de Março, para o qual foi determinante o voto e a acção da Caixa Geral de Depósitos , o homem que chefiava o governo com o conforto de uma maioria absoluta no Parlamento  beneficiava de generosas transferências do Grupo Espírito Santo. 

O partido brasileiro da Dilma dos pobres encolheu 60%

É, claro, que foi golpe das elites contra a presidente do partido dos pobres. Só que as eleições vieram baralhar tudo. Adivinhem quem o povo escolheu em eleições ? Brasileiro é mesmo burro, né ?

"Sobretudo por isso, aguardei com certa expectativa e sede de justiça as eleições municipais de domingo, que inevitavelmente traduziriam a revolta do povo perante tão iníquas proezas. Resultados? O partido do novo presidente (o sujeito odiado pelo povo) ganhou a coisa, com 1027 autarcas e 1,2% de crescimento face a 2012. Diversos partidos que colaboraram no golpe (as demais quadrilhas ao serviço da burguesia e do imperialismo) cresceram abundantemente e ocuparam os lugares seguintes. O partido amigo dos pobres (e da ex-presidente eleita) caiu de terceiro para décimo lugar, encolheu 60%, conseguiu uma única capital estadual (no Acre, atenção) e, para efeitos práticos, quase desapareceu."

Cá deste lado, os indignados, fingem que não deram por nada

Sócrates foi quem mais destruiu valor em Portugal

As últimas investigações que vieram a público envolvem a PT e os seus ex-gestores. Talvez venhamos ainda a saber porque é que uma "vaca leiteira" que dava dinheiro a rodos pagou o que pagou pela "VIVO", a vendeu depois e comprou uma geringonça chamada "Oi".

Segundo o Ministério Público, «em causa estão as eventuais ligações entre circuitos financeiros investigados neste inquérito [a Operação Marquês, que tem Sócrates como suspeito] e os grupos PT e Espírito Santo». 

Dito de outro modo, as autoridades investigam eventuais luvas pagas a José Sócrates no negócio da Vivo e da Oi, que terão saído do saco azul do Grupo Espírito Santo.

Em causa estarão 17 milhões saídos da ES Enterprise (o tal saco azul do GES) para contas que teriam Sócrates como beneficiário.

Pelo meio ficou uma OPA lançada pela SONAE que oferecia 11 mil milhões pela PT e que foi impedida pela CGD como accionista e sabe-se quem controlava então a administração do banco público

Viver em Paris à tripa forra é natural

É, claro, que Durão Barroso não deveria ter aceite o convite de uma instituição financeira que tantas culpas tem no cartório. Terá tantos convites que mal se compreende expor-se desta forma tão, digamos, gulosa. Não há a mais pequena dúvida acerca disso. Já é mais difícil de compreender é que os mesmos que rasgam agora as vestes andaram muito tempo a acharem que um primeiro ministro a quem não se conhecem meios de fortuna vivesse à grande e à francesa num bairro chiquérrimo de Paris.

Não havia nada a estranhar e nada a perguntar . Mas quando soubemos a narrativa que explicava o inexplicável tivemos todos que engolir que não havia porta giratória nenhuma entre a política e os negócios. Era pura perseguição.

Hoje já temos alguma noção para que serviu a golden share na PT . Os milhões que desapareceram na Caixa Geral de Depósitos. O assalto ao controlo accionista do BCP. Os 800 milhões que o BES sacou . E tudo isto está ligado pelas investigações da Operação Marquês.

Mas o Barroso é um crápula e o Sócrates uma vítima. Vamos longe.