Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Não, não estava nem está tudo esclarecido

Percebe-se a pressa do primeiro ministro em fechar o processo dos incêndios em Pedrogão. Contrariamente ao que Costa diz, o processo não está esclarecido. Á medida que conhecemos mais informações percebemos a dimensão das falhas e da descoordenação.

"Nem sempre foi possível garantir a defesa perimétrica das povoações, as intervenções de socorro e as evacuações desejadas" durante o incêndio de Junho de Pedrógão Grande, reconheceu esta quarta-feira, 9 de Agosto, a ministra da Administração Interna. Por outro lado, acrescentou, "as condições do incêndio inviabilizavam os acessos a algumas localidade e algumas situações de emergência chegaram, por dificuldades de comunicação, tardiamente ao conhecimento ao Posto de Comando e Controlo".

Não fosse o imenso clamor da sociedade civil, o governo teria dado por terminada uma tragédia onde morreram 66 pessoas . Com Costa é sempre assim, varrer para debaixo do tapete como se ele próprio não tivesse largas culpas .

E como se tinha já percebido a informação foi centralizada para ser filtrada. Mas quem se indigna com estas jogadas pouco escrupulosas é que é o mau da fita.

 

Há eventuais mortes em Pedrógão além das conhecidas ?

Não sabemos o número de vítimas mortais passado um mês da tragédia dos incêndios. As pessoas desaparecidas já apareceram ? As vítimas internadas nos hospitais algumas delas gravemente feridas estão livres de perigo ou morreram ? São as tais vítimas indirectas que não entram na lista oficial ? Está tudo doido .

Agora temos a "lei da rolha" que filtra os esclarecimentos à nação. Há mais uma vítima mortal, mas segundo a "central nacional de comunicação" não cabe nos critérios. Quem definiu os critérios ?

Há mortos directos e indirectos, estes últimos não sabemos quantos são nem quem são , muito menos como morreram e onde, mas o primeiro ministro diz que em relação ao incêndio de Pedrógão está tudo esclarecido . Como é isto possível no Portugal democrático ? Ninguém se indigna ?

Então os comandantes no terreno que comunicam com os seus homens e tomam decisões muitas vezes de vida e de morte não têm competência para comunicar directamente com o povo ? Ensandeceram ? 

Em reação à notícia, a Autoridade Nacional de Proteção Civil reiterou hoje que o incêndio do mês passado em Pedrógão Grande fez 64 vítimas mortais, em "consequência direta" do fogo, e que outros eventuais casos não se integram nos critérios "definidos".

Mas ainda há "eventuais casos" ? Eventuais mortes para sermos mais directos ?

Há quem diga que são mais de 80 mortos