Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

O défice externo duplica

O artigo de hoje: O superávite da balança comercial portuguesa deteriorou-se no primeiro semestre do ano. Razão? As importações, que subiram 14,7%, cresceram mais do que as exportações (13,2%) e nem o bom desempenho da balança de "serviços" (onde pontifica o Turismo) conseguiu compensar o efeito negativo. Recorde-se que há semana e meia, quando o INE divulgou os valores do PIB para o segundo trimestre, lembrou que o desempenho da balança comercial teve um contributo negativo líquido para o crescimento económico.
O que é que tudo isto significa? Que estamos perante o primeiro sinal amarelo à política económica seguida pelo país: o aumento do rendimento (salários, pensões...), sem contrapartida na produção nacional, vai direitinho para as importações. Mais: o comportamento das contas externas mostra a fragilidade da recuperação económica portuguesa, ao contrário do que tem sido vendido pelo governo. Basta que alguma coisa corra mal no Turismo e/ou com as exportações e o rombo nas contas externas será imediato.
O que está a acontecer mostra que os conselhos para uma devolução cuidadosa e faseada de rendimento são mais do que sensatos. A menos que Portugal queira regressar aos problemas do passado recente

1 comentário

Comentar post