Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BandaLarga

as autoestradas da informação

BandaLarga

as autoestradas da informação

Marcelo primeiro ministro optimista não irritante

governo passou de São Bento para Belém . O primeiro ministro é Marcelo . E Portugal é o país das maravilhas. 

A dívida pública está demasiado alta? Se virmos em termos líquidos, melhorou. As taxas de juro da dívida a 10 anos subiram perigosamente acima dos 4%? Sim, mas depois baixaram. Foi uma vitória conseguir um défice de 2,3%? Sim, e certamente ficará ainda mais baixo. O modelo económico do governo está correcto? Os dados ainda não o contradisseram, esperemos pelos resultados fechados de 2016. Há riscos políticos dentro da “geringonça”? Sim, mas há também muitos consensos alcançados nas áreas-chave da governação. A TSU gerou uma crise política? Não, haverá certamente solução para breve. E a tensão política entre governo e oposição? Houve descrispação na sociedade e ter uma oposição forte é positivo para o país. Marcelo vive num país das maravilhas e, para ele, tudo está bem (ou, pelo menos, a melhorar) – é essa a mensagem que pretende passar. Mesmo que, na prática, a realidade seja muito menos colorida – a descrispação é uma ficção, a banca portuguesa está muito fragilizada, não há solução para quando a torneira do BCE fechar e a economia cresce muito abaixo do que crescia em 2015.

Tudo graças a Marcelo primeiro ministro. Oremos !

A Catarina rabina

Ela, a Catarina , sabe que o défice de 2,3% só foi conseguido porque o governo cortou criminosamente no investimento. O que quer dizer que deixando de cortar no investimento o défice torna a subir. No meio disto tudo a economia não cresce.

Mas, para a Catarina , tirar o tapete ao governo é mais forte do que fazer umas contas simples. Além disso, não é questão que se coloque porque o orçamento já foi aprovado e o que se vai fazer no investimento está lá inscrito . É mesmo só para repetir o número da TSU. Entalar António Costa.

Defendendo que é preciso olhar para o que ensinou o último ano e tirar algumas lições, a coordenadora do BE recusou a ideia de que é impossível existir investimento porque Portugal continua a ter muitas dificuldades, tem uma dívida pública alta e precisa de controlar o défice.

E diz que foi possível aumentar salários e pensões mas não diz que foi à custa de mais impostos indirectos  e do aumento generalizado dos preços dos produtos mais elementares.

Jerónimo já o disse alto e em bom som, os cidadãos pouco ou nada ganharam com o suposto aumentos dos salários e pensões.

PS , diz-me com quem andas

Manuel Alegre teve que sair a terreiro para defender a liberdade de expressão dentro do PS e assim defender o direito de Francisco Assis não concordar com a solução governativa.

Há dentro do PS quem sonhe estar no poder por ser do PS e pensar como o BE . É por isso que de vez em quando há quem deixe a boca fugir para o desejo sempre escondido . Mas logo depois camaradas há que lhes lembram o essencial. O PS está com a Europa e com a democracia o que não é a posição dos apoios à sua esquerda.

O  PS sempre teve um sonho infantil . Governar ora com o apoio da esquerda ora com o apoio da direita. Mas os bloquistas que minam o PS já andam a dizer que nunca mais vão precisar da direita para governar . Um governo eterno .

Enquanto o PS puder contar com a extrema-esquerda, vai governando. O pior é que a extrema-esquerda também já percebeu. E, depois de ser muleta, não está pronta a suicidar-se. Foi por causa deste estilo de governo, com a mão esquerda de manhã e a direita à tarde, que os governos socialistas de Soares, de Guterres e de Sócrates caíram em seu tempo.

alegre.jpg

 

O confronto anunciado entre o governo e os seus apoios

Uma fotografia impressiva no DN - alunos com uma manta pelos joelhos em plena aula . E já lá vai um ano de um governo do PS com o apoio do PCP e do BE .

O pão e circo da reposição de rendimentos tem os seus limites e a TSU foi uma espécie de aquecimento. O renascimento dos sindicatos dos professores, a propósito do combate à precariedade e integração dos contratados, é apenas um exemplo. António Costa vai ter um 2017 trabalhoso, e será precisamente nestas áreas - educação e saúde - que o choque com a esquerda vai ser mais difícil. Ou isso, ou Bloco e PCP vão ter de fechar as cartilhas na gaveta, em nome de um governo que não é o deles.

O mundo está muito melhor ( quatro gráficos )

Cinco gráficos que nos mostram como o mundo está melhor . É tudo isto que vamos deitar borda fora ? O sistema não apresenta resultados ? O mundo está muito melhor , há menos pobreza , mais educação, mais e melhor saúde , ao contrário do que os mariantes apregoam por aí.

Crianças por mil nados-vivos que morrem antes dos 5 anos (Mundo)

 

nados-vivos.png

 

Pobreza extrema : pobreza ( vermelho)

pobresa extrema.png

Democracia ( verde )

democracia.png

Analfabetos ( vermelho )

analfabetos.png

 

 

 

 

Um apparitchic estalinista de segunda

Pelo Rato as coisas andam feias ao contrário do que Costa quer fazer crer . Assis chama apparitchic estalinista de segunda à reacção de Pedro Nunes Santos à sua proposta de eleições antecipadas. Este secretário de estado é o tal que dizia que a dívida pública não é para pagar. Agora já mudou de opinião.

Sérgio Sousa Pinto diz que isto nada tem a ver com o socialismo nem com a história do PS .

Os ânimos socialistas subiram na última semana, depois de Assis ter dado uma entrevista a apontar para os riscos que diz ver na estabilidade política e a falar mesmo nas vantagens de eleições antecipadas. As palavras de Pedro Nuno Santos vieram em reação a estas e, desde aí, o choque em cadeia entre os socialistas ainda não parou. Na edição desta sábado do Expresso, Assis volta à carga e chama à posição de Pedro Nuno Santos “esquizofrenia política no seu mais elevado grau”. E logo pela manhã, na sua conta de facebook, Sérgio Sousa Pinto também escreveu o que pensa sobre a afirmação do secretário de Estado. Sem meias palavras, o deputado defende que “a cultura do PS, e a sua contribuição maior para a democracia portuguesa, foi a denúncia desta mundividência maniqueísta, saída da vulgata marxista, segundo a qual existe um lado certo da história, onde estaríamos solidamente instalados e acolitados por compagnons de route com projectos afins”.

O PS ainda se vai arrepender muito desta solução à esquerda

Só a maioria absoluta poderá tirar o PS das sete varas em que se meteu. Mas é muito dificil de obter e não a obtendo e não podendo ir mais longe nas cedências ao PCP e ao BE ( como se vê com a TSU ) o PS ainda se vai arrepender muito desta solução conjunta à esquerda .

Porque no que diz respeito à União Europeia e à Zona Euro não se vê como o PS poderá engolir mais sapos e, ainda, as inevitáveis reformas estruturais a que a Europa obriga e de que o país precisa só as pode conseguir aliado ao PSD . A quadratura do círculo político em que Costa se meteu parece ser o limite da sua habilidade política .

Por outro lado Passos não desarma e o PS não poderá a partir de agora fazer de conta que não sabe que não tem maioria estável e credível na Assembleia. A tempestade que se adivinha à volta das PPPs na saúde são o próximo impasse e outros vão chegar .É que azeite e água não se misturam.

E é por tudo isto que Francisco Assis disse o que disse ( eleições antecipadas ) e que Trigo Pereira fale em moção de confiança. Ambos dirigentes do PS .

E talvez ainda mais significativo, Manuela Ferreira Leite sentencia que o governo acabou , a mesma que andava a fazer o funeral a Passos Coelho . E que dizer do ataque descabelado de Marques Mendes ? Os sinais são cada vez mais fortes .

 

 

O diploma de redução da TSU é inconstitucional

O PSD devia ter começado por aqui e Marcelo, constitucionalista, devia ter visto e não viu. Pressas...

Ou será que o PSD preferiu juntar-se ao BE e não ao TC ?

Numa palavra, o Governo legisla sobre uma matéria que a Constituição integra na competência da Assembleia da República, sem estar munido da necessária autorização legislativa para o efeito. É preciso ter em conta que a famosa TSU tem uma dupla natureza: na parte paga pelos trabalhadores, é uma contribuição que tem retorno, mais tarde, sob a forma de pensões de reforma ou outras prestações sociais; mas, na parte que é paga pelos empregadores, ela constitui um imposto, já que não garante a quem a suporta qualquer tipo de contrapartida.

 

Por isso, a TSU - com a definição dos seus parâmetros essenciais, onde se inclui a respectiva taxa  - só pode ser criada por lei da Assembleia da República ou por um decreto-lei do Governo devidamente autorizado por aquela.

E esta ?

Eleições antecipadas ou Moção de confiança

Depois de Francisco Assis propor eleições antecipadas é o deputado independente do PS Paulo Trigo Pereira que vem propor uma moção de confiança ao governo. A ideia é obrigar a extrema esquerda a reafirmar o apoio ao governo, já que a redução da TSU não é a primeira nega do PCP e do BE.

Outro caso apontado pelo deputado foi o do estatuto do gestor público, em cuja votação BE, PCP e PSD votaram alinhados num incidente que foi visto como a gota de água que fez António Domingues sair da CGD.
Segundo a Lusa, Paulo Trigo Pereira defendeu que caso haja uma terceira situação deste tipo, a bancada do PS deve avançar com uma moção de confiança.

Estabilidade e credibilidade ?